Cultura

Movimento dos Povos da Lagoa fecha o Dique Estrada para evento social e cultural

É a quinta edição do 'Mundaú Lagoa aberta', que ocorrerá no domingo (5), a partir das 14h, no Monumento ao Milênio na orla lagunar

03 de Agosto de 2018, 11:09

O Movimento dos Povos da Lagoa realiza no domingo (5) a quinta edição do evento “Mundaú Lagoa aberta”, que, segundo a produção, irá homenagear “as tradições populares”, além de comemorar o aniversário do cordelista Jorge Calheiros. Brinquedos infantis, roda de capoeira, ensaios abertos de percussão de bumba-meu-boi e de escola de samba e teatro, atividades de leitura, passeio na lagoa, feira alternativa e pocket shows de artistas voluntários são algumas das atividades que se iniciam às 14h, no Monumento ao Milênio na avenida do Dique Estrada (orla lagunar), no bairro do Vergel do Lago.

“O evento ‘Mundaú Lagoa Aberta’ é uma proposta de fechar a rua para os carros aos domingos, liberando-a para as pessoas, especialmente os moradores da baixada lagunar, que podem então ocupar esse espaço para o seu lazer”, destaca o informativo enviado à Redação. “Buscamos chamar a atenção da população para as potencialidades da orla lagunar de Maceió, acendendo uma luz na bela região da beira da lagoa, que parece estar ‘fechada’ em meio à cidade.”

De acordo com a produção do evento, as atividades do “Mundaú Lagoa aberta” visam “mostrar à sociedade que há vida comunitária na beira da lagoa e que, apesar das notícias sempre relacionadas à violência, os povos da lagoa integram de modo marcante a vida social e cultural de Maceió e das Alagoas”.

“A lagoa Mundaú produz alimento, abrigo e beleza; os moradores da beira da lagoa fazem o mesmo, alimentando a cidade e o Estado com a força do trabalho e da cultura", observa o press-release dos Povos da Lagoa.

O poeta cordelista Jorge Calheiros: desde criança escrevendo versos
Calheiros: desde criança escrevendo versos (Foto/ Francisco Ribeiro/ Revista Graciliano)

"É direito que a prefeitura e o governo estadual coloquem a orla lagunar na rota do desenvolvimento humano, econômico, cultural e ambiental, com ações permanentes e efetivas de saneamento básico, limpeza urbana eficiente, segurança e iluminação. E a imediata inclusão da orla lagunar no ciclo festivo da cidade – Carnaval, São João, São Pedro, Natal, Réveillon e demais eventos organizados pelo município e pelo Estado.”

Os orgaziadores da festa cultural de domingo lembram que agosto “é um mês especial por conta das comemorações em alusão as nossas manifestações tradicionais populares”. “E a lagoa Mundaú é parte pulsante de nossa cultura popular em Alagoas.”

O aniversariante Jorge Calheiros é natural do município de Pilar, distante 39 km de Maceió. Nascido em 8 de agosto de 1939, aos dez anos Calheiros conheceu a literatura de cordel, ouvindo contadores de histórias ao redor de fogueiras em tempo de festa. “Habituado com essa atmosfera, sentiu necessidade de desenvolver sua própria forma de poetizar a vida”, observa o press-release do “Mundaú Lagoa aberta”, narrando a trajetória do hoje mestre (título outorgado pelo Estado, nomeando-o “Patrimônio Vivo de Alagoas”) Jorge Calheiros.

“A condição econômica do ainda menino cordelista o fez deixar de lado seu talento naquele momento para trabalhar com carteira assinada na construção do Edifício Brêda. Aos 12 anos, foi empregado numa fábrica de tecidos em Fernão Velho. Apesar de ter trabalhado com ofícios não compatíveis com o seu talento, Calheiros nunca parou de escrever. Mas guardava para si, não acreditando que seu material tivesse a qualidade que ele esperava. Até que um dia conheceu um cordelista que iria se apresentar num festival de poesia em Aracaju. A partir daí, o nosso poeta se sentiu mais confiante para apresentar seu trabalho. Jorge Calheiros se tornou um dos principais nomes da cultura oral nordestina.”

O acesso às atividades da quinta edição do evento “Mundaú Lagoa aberta” é gratuito. Para mais informações, ligue (82) 99632 6584 ou 99919 8122.