Especial

Feira da Reforma Agrária reúne 250 feirantes de todo o Estado, vendendo alimentos orgânicos e promovendo a cultura popular

Em Maceió, a décima-nona edição do empreendimento coletivo de trabalhadores rurais acontece até este sábado (8); não perca

08 de Setembro de 2018, 11:14

Jorge Barboza/ Editor

Encerra-se neste sábado (8) a 19ª. Edição da Feira da Reforma Agrária, que acontece todos os anos nesse mesmo período. Em 2018, o empreendimento colaborativo realizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (o MST) – contando com 250 feirantes originários de acampamentos e assentamentos da Reforma Agrária em todas as regiões do Estado – começou na quarta-feira (5), atraindo moradores do Prado (onde está instalada a feira, na Praça da Faculdade, na região central da capital) e arredores.

Mas não somente moradores do bairro acorrem à praça. Gente de toda Maceió comparece para adquirir produtos da terra, orgânicos e de boa qualidade, comidinhas regionais como tapioca e manuê (alimento típico da região Norte, indígena, feito de massa de mandioca assado na folha da bananeira – na capital chamam de “pé-de-moleque”), doces de todo tipo, mel legítimo, artesanato de Pão de Açúcar e de outros municípios. A Feira da Reforma Agrária é um sucesso que se confirma a cada ano – com shows maneiríssimos, realizados à noite, de artistas da capital identificados com as causas populares, como Rogério Diaz e A Trincheira e Mel Nascimento – esta apresentando-se na noite deste sábado.

Senhor Nivaldo e Gilmar, do município de Teotônio Vilela: alimentos orgânicos
A Feira da Reforma Agrária ocupa toda a Praça da Faculdade, no bairro central do Prado

“A feira traz para a capital produtos dos assentamentos da Reforma Agrária desde o Alto Sertão até o Litoral, passando pelo Agreste, a Zona da Mata”, informa o assessor de imprensa Gustavo Marinho. “As pessoas encontram aqui alimentos in natura, artesanato, bolos e doces, um pouquinho de tudo. Tem o Restaurante Popular, Viveiro de Mudas, o Festival de Cultura Popular, que este ano veio com a novidade do palco Raquel Xukuru-Cariri, dividindo as atrações com o palco principal – os dois funcionando todos os dias, o novo palco começando mais cedo, às 18h.”

Assessor Gustavo Marinho e diretor MST José Neto: 'Tudo que o homem do campo produz'

Natural da cidade de Piranhas, o representante alagoano do MST nacional, José Neto, afirma que o movimento está se preparando para a ajudar a esquerda e que “é importante eleger Haddad [Fernando Haddad, candidato à Presidência do Partido dos Trabalhadores]”.

“Voltamos fortalecidos da marcha até Brasília, que ocorreu de 10 a 14 de agosto, quando foi registrada a candidatura de Lula. Essa será a eleição mais importante da História do Brasil. O que está em jogo são os direitos dos trabalhadores. Temer e sua corja vem implementando um regime de fome – o mal que estão fazendo não é somente contra o PT, é contra o povo, contra a classe trabalhadora e é a ela que vamos nos dirigir nas cidades, dialogando com os trabalhadores. Lula é um grande líder mundial, por isso o MST mantém o acampamento Marisa Letícia, lá em Porto Alegre.”

Sobre a Feira da Reforma Agrária, José Neto diz que ela “vem para desmontar essa visão que foi construída na sociedade, criminalizando os movimentos sociais, especialmente o MST”.

“A feira mostra o que o homem do campo produz quando ocupa uma terra.”