Cultura

Fundação Casa do Penedo e Iphan homenageiam Francisco Sales

Município histórico presta homenagens ao ilustre mecenas e criador de fundação cultural que agora abriga novo equipamento de referência

19 de Setembro de 2018, 12:37

Da Redação

PENEDO – Em solenidade realizada na noite de sábado (15), no município histórico distante 146 km ao sul de Maceió, a presidenta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (o Iphan), Kátia Bogéa, especialista em historiografia brasileira e regional, prestou homenagens ao psiquiatra e empresário penedense Francisco Alberto Sales. Na ocasião, o grande mecenas alagoano encontrava-se internado num hospital em Brasília (DF), onde morreu nessa terça-feira (18), aos 78 anos. O tributo do Iphan e de Kátia Bógea se deu por conta da inauguração do Chalé dos Loureiros, novo equipamento da Fundação Casa do Penedo que funcionará como Centro de Referência e Museu do Rio São Francisco.

Francisco Alberto, morto nessa terça-feira (18) em Brasília

Criada em 1992 por Francisco Alberto Sales, a Fundação Casa do Penedo inaugura agora uma nova etapa de trabalhos, como o projeto "Penedo na Rota do Mel”, que se iniciou nessa terça-feira (18), reunindo especialistas em desenvolvimento sustentável para um debate sobre a meliponicultura. O evento abordou as práticas de cultivo de uma abelha nativa da região, a Uruçu do Nordeste (Melipona Scutellaris), cuja característica que a difere das demais espécies é a ausência do ferrão.

Kátia Bogéa prestou homenagens Francisco Alberto Sales, que havia adquirido o Chalé dos Loureiros, doando-o à Fundação Casa do Penedo. Nas palavras do jornalista, também penedense, Fernando Vinícius, Sales, mais uma vez, criou "um espaço cultural de relevância para Alagoas e o Brasil”.

Kátia Bogéa: 'Homenagem muito grande a Francisco Sales'

“Planejado para abrigar o Museu do Rio São Francisco, a recuperação do chalé que tem mais de cem anos de construção só foi possível porque o doutor Sales o salvou das ruínas, atuando em parceria com instituições como BNDES, Ministério da Cultura, Iphan e prefeitura de Penedo”, observou Vinicius em comunicação enviada à Redação.

Kátia Bogéa afirmou – citando o museólogo Aloísio Magalhães, pioneiro da preservação de patrimônios históricos e artísticos no Brasil – que todos tinham de “prestar uma homenagem muito grande a Francisco Sales”. “Quando eu entrei no Iphan, há 38 anos, o presidente Aloísio Magalhães dizia e repetia que quem guarda o patrimônio são as pessoas, não são as instituições. O Sales é o grande guardião da memória de Penedo.”

De acordo com a presidenta do Iphan, a Fundação Casa do Penedo “é uma instituição de memória e se não tivermos pessoas como o Sales, vão acontecer esses incêndios [do Museu Nacional] e a destruição de nossa memória”. “A gente pede duas coisas: que vocês sejam Sales para proteger a memória de vocês e que façam tudo junto, com amor no coração. O Iphan sozinho, jamais, vai proteger o patrimônio cultural brasileiro.”