Especial

IMA pede a retirada de navio no Porto de Maceió com receio de contaminação

Embarcação atracada desde 16 de setembro pode causar danos à fauna marinha; Capitania dos Portos foi notificada

15 de Outubro de 2018, 16:32

Da Redação

O Instituto do Meio Ambiente (o IMA) encaminhou à administração do Porto de Maceió um manifesto técnico que pede a saída imediata de uma embarcação ali atracada e que pode causar danos a nossa fauna e vegetação marinhas. De acordo com o IMA em Alagoas, trata-se de uma “ação profilática para evitar danos aos recifes da costa alagoana por uma possível contaminação do chamado coral-sol (Tubastreae)”.

Técnico do IMA se prepara para mergulhar

O coordenador de gerenciamento costeiro Ricardo César informa sobre os trabalhos que foram feitos no entorno e no casco da embarcação atracada no porto desde o dia 16 de setembro.

“Foram realizados dois mergulhos, um no dia 21 e outro no dia 29 de setembro, por biólogos do Instituto e pelo professor Carlos Sampaio, da Universidade Federal de Alagoas”, destaca César, explicando que a equipe do IMA coletou amostras para verificar "se havia a bioincrustação de espécies do coral-sol”.

"A embarcação está atracada junto às plataformas de exploração de gás em Sergipe, onde todas estão incrustadas em seus cascos com essas espécies”.

Segundo o coordenador do IMA, "nos mergulhos, foi possível verificar a presença de diversos organismos marinhos, mas não o coral-sol".

Embora não haja, ainda, indícios de contaminação, Ricardo César faz um alerta sobre a presença de tal embarcação no Porto de Maceió, que pode estar agredindo as múltiplas espécies que habitam nossas águas marinhas.

“É muito alto o risco de haver pólipos e isso é uma ameaça direta para a biodiversidade da costa alagoana. Devido a quantidade de recifes e a agressividade com que o coral-sol se multiplica.”

Coral no casco do navio: por enquanto, não há contaminação

O documento foi entregue à administração do Porto de Maceió há pouco mais de uma semana, tendo sido encaminhado à Capitania dos Portos.

“A equipe do IMA aguarda o posicionamento e as providências necessárias”, afirma o gerente costeiro.