Especial

Mulheres, LGBTs, artistas e movimentos sociais voltam à orla da capital

Ato em favor da democracia acontece nesse sábado (20), a partir das 15h

19 de Outubro de 2018, 10:37

O movimento #EleNão, que reuniu mais de 30 mil pessoas na orla de Maceió no dia 29 de setembro, agora fazendo parte de uma Frente Pela Democracia com participação maior de movimentos sociais organizados, retorna às ruas nesse sábado (20). “Um grande ato será realizado em Maceió, com concentração a partir das 15h, no Alagoinhas”, indica o informativo enviado à Redação. As ruínas do antigo Alagoas Iate Clube, o Alagoinhas, ficam na orla da Ponta Verde à avenida Sílvio Carlos Vianna, na altura do número 2.750.

“O ato político e cultural está sendo organizado por várias entidades dos movimentos de mulheres, LGBTQIAP+, entidades sindicais e partidos políticos”, destacam os organizadores, relacionando atividades programadas para a manifestação. “Artistas alagoanos, grupos culturais e representantes de várias denominações religiosas vão participar do ato, que será encerrado no Posto 7, na [praia da] Jatiúca, com celebração pela diversidade religiosa e pelo Estado laico. Durante o percurso, acontece o ‘Cortejo da Cultura Popular Alagoana’, com os grupos Afro Afoxé, Coco Xodó Nordestino, Coletivo AfroCaeté, Banda Erê, Boi Vingador, Boi Força Bruta e Capoeira Moriá Brasil.”

De acordo com o press-release do movimento, a Frente Pela Democracia Alagoas foi criada “a partir da iniciativa dos atos puxados por mulheres e LGBTQI+ no dia 29 de setembro”. “Agora, a nossa frente quer aglutinar todos aqueles e aquelas que desejam lutar contra a retirada de direitos e pela democracia. Lutar contra Bolsonaro é lutar por nossas vidas.”

Grupos culturais e religiosos fazem manifestação nesse sábado (20) em favor da democracia

Os organizadores afirmam que nesse sábado se juntarão “ao movimento nacional que mais uma vez vem dizer não ao fascismo e ao ódio”. “Estamos com Haddad e Manuela na luta pela democracia e pelos nossos direitos. Seremos resistência.”

Entre as diversas instituições que participarão do ato, destacam-se a Associação Nacional de Travestis e transexuais (Antra); a Associação Cultural de Travestis e Transexuais do Estado de Alagoas (Actrans); Associação Arco-íris – Paripueira; Associação Nacional LGBTI+ Triângulo Rosa; Coletivo LGBT Comunista; Coletivo Mães Pela Diversidade – Regional Alagoas; Coletivo Pró LGBT, o ‘Quê’ do Movimento – Visibilidade QIAP+; Coletivo Quilombo Púrpura; Diversidade Tucana – Regional Nordeste, Grupo Cultural Transhow; Articulação Brasileira de Mulheres Lésbicas; Levante Popular da Juventude – Setor de Diversidade; PSB – LGBT Socialista/ Regional Alagoas; LGBT Comunista e setorial de gênero do PCB.

Integram o ato, também, instituições feministas como Movimento de Mulheres Olga Benario; Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro; Setorial de Mulheres do Psol; Grupo Mulheres pela Democracia; Marcha Mundial das Mulheres; Secretaria de Mulheres do PT e Mulheres do MST e do MTST. E ainda coletivos juvenis, entre eles, Afronte, UJC, UJR e Levante Popular da Juventude. “O Movimento Cultural Alagoano e Movimento dos Povos das Lagoas integram a atividade política e cultural, assim como algumas centrais sindicais e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo apoiam a manifestação”, informa a comunicação do movimento.