Promoções

Estudantes já podem consultar bolsas disponíveis para os cursos de ensino superior em todo país

Em Alagoas, serão ofertadas 1.694 bolsas, sendo 883 integrais e 911 parciais; programa de acesso ao ensino superior foi criado em 2004 pelo então ministro da Educação Fernando Haddad

30 de Janeiro de 2019, 16:38

Da Redação

A partir desta quarta-feira (30), estudantes que desejam ingressar no ensino superior por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni) poderão consultar as bolsas disponíveis e as instituições participantes do processo seletivo do primeiro semestre de 2019. Em Alagoas, serão ofertadas 1.694 bolsas, sendo 883 integrais e 811 parciais. No total, esta edição do ProUni oferta 243.888 bolsas em todo o país – 116.813 integrais e 127.075 parciais –, em 1.239 instituições de educação superior em todo o território nacional.

De acordo com o Ministério da Educação do governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro, “esta é a maior oferta de vagas da história do ProUni, desde sua criação, em 2005”. Espera-se que as autoridades elitistas recém-constituídas não revoguem o programa de política pública de acesso ao ensino superior, criado em 2004, sob o governo Lula, pelo então ministro da Educação Fernando Haddad.

As inscrições começam nessa quinta-feira (31), encerrando às 23h59 do domingo (3), seguindo o horário oficial de Brasília. “A consulta pública de bolsas do Prouni está disponível na página do programa na internet. O estudante poderá pesquisar as bolsas ofertadas por curso, instituição ou município”, destaca o informativo do MEC enviado à Redação, explicando que podem se inscrever “estudantes brasileiros sem diploma de curso superior e que tenham participado do Enem 2018, tendo obtido no mínimo 450 pontos na média das notas e nota superior a zero na redação”.

“Para concorrer às bolsas integrais”, destaca o press-release, “o candidato deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Já para as bolsas parciais (50%), a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.”