Especial

Sommèliere ensina um guia básico do vinho para iniciantes

Convidada pelo grupo Wine.com.br, Ana Cristina Fulgêncio dá algumas dicas ao leitor que deseja se aventurar no sofisticado universo dessa incrível bebida

23 de Maio de 2019, 17:26

Da Redação

O vinho é uma bebida sofisticada, a bebida dos deuses predileta por nove entre dez poetas e boêmios em todos os tempos. No Brasil, o número de adeptos cresce a cada ano. Por conta disso, o grupo brasileiro Wine, que oferece rótulos dos mais diversos países, tendo criado o maior clube de vinhos do mundo (atualmente com mais de 140 mil sócios), convocou a sommèliere Ana Cristina Fulgêncio para passar algumas dicas a quem deseja ingressar nesse maravilhoso universo das uvas e dos terroirs que, em outras palavras, dão conta da relação íntima entre solo e microclima particular que concebe o nascimento de um tipo de uva.

Para Ana Cristina, o importante é “diversificar na escolha dos rótulos e estar aberto à novas experiências”. Vamos ao passo-a-passo assinado pela prestigiada sommèliere e enviado à Redação pelo Clube Wine.

Dica para iniciante: Salton Intenso Merlot Tannat 2017

Item básico

Uma taça. Que pode ser qualquer uma no começo. Na ausência deste item, é possível conhecer um vinho em qualquer tipo de copo, o clássico americano, por exemplo. Mas a taça adequada traz para a bebida a experiência completa de degustação, ajuda a aerar o líquido, realçando os sabores e os aromas do vinho.

Boa companhia

Não é um item indispensável, mas importa mais do que o tipo de copo. Ao se aventurar em novas descobertas, é sempre interessante trocar ideias sobre sabores, boas combinações e impressões. Convide os amigos.

Apenas comece

Escolha o vinho, abra-o, despeje-o na taça e lembre-se: a melhor maneira de aprender é praticando. Apenas teste os rótulos. Talvez você não goste de alguns e se apaixone por outros. Anote suas impressões sobre cada vinho novo degustado. Isso faz diferença na hora de relembrar os seus favoritos.

Miolo Seleção Chardonnay Viognier 2018

Etiqueta do vinho

Esqueça-a. Não precisa balançar a taça, cheira-la e fazer cara de enólogo. Seja curioso, deixe todos esses detalhes e técnicas para depois, quando tiver mais domínio e mais rolhas colecionadas.

Investimento

Comece pelos vinhos mais acessíveis, que estejam na faixa de investimento entre R$ 30 e R$ 60. Por esse preço já é possível encontrar bons rótulos. O vinho não precisa ser caro para ser de qualidade.

Inove

Varie um pouco, os chilenos são sempre uma boa pedida, mas você pode ousar experimentando rótulos sul-africanos ou californianos, por exemplo. Se não quiser ir tão longe, o Brasil produz vinhos de ótima qualidade e sabor. Dê abertura ao novo.