Cultura

'60', de Sidney Wanderley, reúne inéditos e antologia de poemas publicados entre 1991 e 2012

Obra publicada pela editora Imprensa Oficial Graciliano Ramos marca os 60 anos do autor; noite de autógrafos será nesta quarta-feira (17), às 19h

17 de Julho de 2019, 12:34

Jorge Barboza/ Editor

Sidney Wanderley, 60 anos, um de nossos maiores poetas vivos, lança na capital, nesta quarta-feira (17), o livro “60”, seu décimo-segundo (décimo-quarto, contando com mais duas obras, uma em parceria com o poeta e político Fernando Sérgio Dias, “Hai-quase”, de 2012, e outra com o fotógrafo Juarez Cavalcanti recentemente publicada, “A Feira”). Publicado pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos, “60”  explica o informativo enviada à Redação traz uma breve antologia de antigos poemas desde ‘Post-húmus’ (1991) até ‘Dias de Sim’ (2012).” A noite de autógrafos está marcada para as 19h, na galeria de artes Galpão 422, à rua Celso Piatti, 422, bairro central do Jaraguá.

“A maior parte do conteúdo da obra, contudo, revela uma produção poética inédita do escritor”, observa o press-release da Graciliano, destacando que não se trata apenas de uma coletânea. Explica o próprio Wanderley. "Esse livro engloba versos de março de 1976, quando eu era primeiranista de Medicina, a março de 2019, quando me converti num sexagenário caduco, mas produtivo. Evitei alguns de meus poemas que são mais divulgados e conhecidos, a exemplo de ‘Inequação’, ‘O Baile’, ‘Um Carneiro’ e ‘A Velha’. Priorizei os poemas de menor fôlego, que é onde julgo que me saio melhor.”

Ao Alagoas Boreal, o poeta dimensiona esses poemas “de menor fôlego”. “São aqueles de poucos versos. Como contraexemplos eu daria ‘Inequação e ‘O Baile’, que ocupam de três a cinco páginas.”

'60' vai para livrarias nessa quinta (18) 

Nascido no município de Viçosa, distante 85 km de Maceió, Sidney Wanderley veio morar na capital já aos 15 anos de idade. Logo fazia parte da chamada “Geração 80”, segundo a Imprensa Oficial Graciliano Ramos “formada por um grupo de escritores marcadamente antiacadêmicos, liderado pelo músico e poeta Marcos de Farias Costa”.

Mas havia, também, nesta contraditória província caeté, outro mestre, então um octogenário Jorge Cooper, a iluminar tais jovens poetas que confluíam num exercício de poemas urgentes e contemporâneos. “Na segunda metade da década de 80 orbitávamos em torno do Jorge Cooper, que nos foi apresentado pelo Marcos de Farias Costa. Mas antes de conhecer o Cooper, e na primeira metade da década de 1980, éramos liderados pelo Marcos e publicávamos nossos textos e poemas no jornal ‘A Ponte’, dirigido pelo Jabuti e pelo Norton Sarmento.”

A partir dessa quinta-feira (18), “60” estará à venda na loja virtual da Imprensa Oficial Graciliano Ramos e no portal Quilombada. Em seguida, irá para as principais livrarias de Maceió.