Cultura

Lucy Muritiba apresenta canções sobre amor e diversidade no 'Quinta no Arena'

Programa será apresentado na quinta-feira (10), às 19h; cantora afirma que seu projeto musical foi feito 'sem pressa' e diz que quer ver 'todo mundo cantando'

07 de Outubro de 2019, 16:53

Da Redação

Apreciadores da música alagoana foram surpreendidos no inverno de 2019 com o projeto musical de Lucy Muritiba. A cantora e compositora reuniu um time de artistas de peso para apresentar ao mundo o segundo álbum de sua carreira, o homônimo “Lucy Muritiba”. Inicialmente, lançou uma trilogia de canções: a primeira com o líder da banda Vibrações, Luiz de Assis, depois com o rapper Vitor Pirralho e, finalmente, com a cantora Fernanda Guimarães – todas ganharam clipes num projeto de audiovisual que funcionou como um esquenta para esse segundo voo solo da artista.

Agora o público pode confirmar o talento de Lucy no programa da Diretoria de Teatros de Alagoas (a Diteal), “Quinta no Arena”. O show – que ocorrerá na quinta-feira (10), às 19h – reúne todas as canções do álbum lançado em setembro. O Teatro de Arena Sérgio Cardoso (anexo ao Teatro Deodoro) fica na rua Barão de Maceió, 375, Centro. Ingressos a R$ 20 e R$ 10 já estão à venda no local. Para compras on line acesse aqui.

'O projeto aconteceu sem pressa, para que todos aprendam as letras'

Canções de Júnior Almeida, Wado, Jurandir Bozo, Arnaud Borges, Desa, Abia Marpim, Luis de Assis e da própria Lucy compõem o roteiro do que será apresentado quinta-feira. Segundo o informativo enviado à Redação, a cantora "pretende deixar claro que palavras ferem e que o amor pode ser uma simples onda ou o mar inteiro”.

A artista afirma que “esse projeto aconteceu sem pressa, em intervalos de tempo pontuais para todo mundo digerir e aprender as letras”. “Quero ver todo mundo cantando comigo no aconchego do Teatro de Arena.”

Lucy Muritiba reconhece as canções escolhidas para o repertório, que "falam de amor e diversidade". “E esperança nos caminhos incertos da vida”, pontifica. Ela diz gostar de “brincar com a estética” do show e do próprio repertório que apresenta. “O visual e as canções se entrelaçam.”