Cultura

Nesses tempos de horror, Pedro Cabral quer paz e amor

Mostra do artista que estreia nesta quinta-feira (10), no Complexo Cultural Teatro Deodoro, no centro da capital, propõe ao público valorizar os próprios sentidos para um Brasil e um mundo mais harmoniosos

10 de Outubro de 2019, 09:34

Jorge Barbosa/ Editor

O artista visual Pedro Cabral inaugura nesta quinta-feira (10) a exposição “Teia de Sentidos”, organizada pela curadora Geisa Brayner. A mostra – que ficará em cartaz no Complexo Cultural do Teatro Deodoro até 17 de novembro – reúne 40 telas pintadas a óleo, cinco obras em pastel seco sobre papel e uma instalação montada no espelho d’água do espaço térreo da galeria, com manequins de silicone envolvidos numa rede (ou teia) indicando os cinco sentidos humanos.

“O chamado sexto sentido ficará exposto no mezanino”, explica Cabral, afirmando que a ideia da exposição “é desconstruir o que estamos vivendo para começar a valorizar os sentidos”. “Saber ouvir a boa música. Olhar a beleza do luar. Sentir os odores das flores e das pessoas. Sentir o sabor de um beijo. Abraçar as pessoas.”

Artista evolui o traço impressionista com influências de várias escolas modernistas

Esta é a segunda exposição individual do artista de 63 anos, também arquiteto e urbanista, professor aposentado da Ufal. Lançou-se profissionalmente, nesse nosso restrito mercado de artes visuais, no final de 2015, com a surpreendente série de obras fauvistas e expressionistas da mostra “Razões do Coração”. Foram quatro anos até a realização dessa esperançosa exposição, realizada com patrocínio do governo via Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (a Diteal). Cabral quer mais amor na vida e na política. Mais alegrias e compaixão. 

Tela (recorte): mostra é um banho de cultura e civilização

Em “Teia de Sentidos”, o conceito é mais intimista e o traço amplamente definido  vivo, diáfano, porém, preciso. O apelo é objetivo: é para nos tocarmos, ouvirmos uns aos outros, nos apaixonarmos. Não odiemos nem queiramos o mal.  

“É preocupante o governo de hoje”, ele explica. “O Brasil, com seus recursos naturais e culturais, não é preocupante. O que preocupa é a invasão religiosa na política. É a justificativa social para se combater a violência com violência. É a atitude tendenciosa de certos agentes judiciários. É imaginar um setor da sociedade a defender o ódio, a pregar preconceitos diversos, como se não tivesse aprendido com a história recente. Muita gente na Alemanha, durante o nazismo, se embeveceu com um mito, com um discurso racista. Quando foram derrotados, negaram todo esse horror. Se a sociedade calar-se diante disso tudo, a triste história se repetirá."

Para Cabral, a "bandeira de luta" é o afeto e a paz. "A convivência dos povos em harmonia. Sonhar nunca é demais.”

Teia de Sentidos – Exposição de Pedro Cabral. Estreia na quinta-feira (10), às 19h. Visitas de segunda-feira a sábado, das 8h às 18h, com horário estendido até 20h às quartas-feiras; aos domingos e feriados, das 14h às 17h.

Complexo Cultural Teatro Deodoro – Rua Barão de Maceió, 375, Centro. Tel. (82) 3315 5650.