Cultura

Edi Ribeiro apresenta canções inéditas e clássicos de Jacinto Silva no Antropofágico Miscigenado 2020

Guitarrista, cantor e compositor tocará junto com Rodrigo San e Sebage na estreia da quarta temporada do movimento; primeira sexta-feira de março, dia 6, no restaurante Zeppelin

27 de Fevereiro de 2020, 11:08

Assessoria

Na primeira sexta-feira de março, dia 6, está de volta o movimento Antropofágico Miscigenado. É o quarto ano da série musical criada por Edi Ribeiro e Sebage e que já reuniu em Maceió, no jardim do Teatro Deodoro e no restaurante e bar Zeppelin, algumas dezenas de músicos, poetas e bandas locais, como Toni Augusto e Elisa Lemos, Mopho, Divina Supernova, Rogério Dyas e a Trincheira, Ibys Maceioh, Marcos Farias Costa, Ana Karina Luna, Jude, Morfina, Mário Alencar, Barba de Gato, Identidade Alagoana, Gal Monteiro, Zecabêga, Leureny Barros, Pedro Salvador e muitos outros. Na estreia da quarta temporada, Edi Ribeiro e Sebage mais uma vez trocarão figurinhas cantando canções um do outro, agora acompanhados do mais novo integrante da trupe, o cantor, compositor e guitarrista Rodrigo San. Os três farão shows de 40 minutos cada, contando, ainda, com a participação de outra pilastra do movimento, o compositor e instrumentista Zecabêga, acompanhando Sebage ao violão.

A primeira edição do Antropofágico Miscigenado 2020 acontecerá no Zeppelin à rua Desembargador Artur Jucá, 40, Centro (próximo às Lojas Americanas na Avenida), a partir das 20h. O couvert custa R$ 10.

'Mais um ano de resistência', diz Ribeiro/ Foto/ Mel Nascimento

“É mais um ano de resistência”, diz o guitarrista, cantor e compositor Edi Ribeiro. “Dei minha pitada na gestação do movimento, participei ainda um ano ativo, juntamente com Sebage, fazendo apresentações lá no saguão do teatro Deodoro.”

Em 2018, Edi Ribeiro lançou nas plataformas digitais o álbum “Eu No Baião de Dois”, uma perfeição musical misturando o forró às influências roqueiras e jazzísticas do artista.  “Para essa nova edição”, conta esse guerreiro da música alagoana, “vou participar com meus amigos Rodrigo San e Sebage.
A gente vai fazer uma noite legal, miscigenada de fato, e continuar com aquela bandeira, com aquela provocação de a gente cantar um as músicas do outro, pois isso foi o cerne, e é o cerne do Antropofágico Miscigenado. Só assim, cantando um a música do outro, é que a gente pode se divulgar melhor, já que as rádios não divulgam o nosso trabalho de maneira maciça. Não temos uma rádio que divulgue o trabalho do artista local em si, eu falo do lado b da música produzida aqui em Alagoas. Então é isso, esperamos que os artistas se engajem, que entendam essa provocação, que entendam esse chamamento – eu diria mais agora chamamento, isso de fazer esse repertório, de cantar... Você tem o seu amigo, você curte a música dele, canta, tem alguma afinidade, uma similaridade na forma de compor, então canta a música do cara, entende, acho que é assim que a gente deve funcionar.”

E é isso que o movimento tem buscado durante todos esses anos, contando com apoio de parceiros como o Teatro Deodoro e o restaurante Zeppelin, de pessoas, gente da cultura como Alexandre Holanda (da Divisão de Teatros do Estado de Alagoas, a Diteal), do casal Clândio Schettert-Rita Oliveira (Zeppelin), da imprensa e dos próprios artistas. “Unir as mãos em prol de um bem maior, de uma coletividade, para a gente chegar e mostrar a nossa cara – esse é o nosso objetivo”, conclama Ribeiro. “É isso aí, vou lá botar a nossa guitarrinha, com umas pitadas de regionalidade e muito improviso. Vamos fazer isso que vai ser maravilhoso.”

Para essa primeira noite do movimento em 2020, Edi Ribeiro diz que preparou “um repertório bem diversificado”, com músicas do cancioneiro popular alagoano e canções inéditas que vão estar no novo álbum. “Vou apresentar um repertório de minhas raízes, das nossas raízes, né. Então não podem ficar de fora canções de Jacinto Silva, de Mestra Virgínia de Moraes e, também, canções do meu disco que está em todas as plataformas digitais. Vou mostrar ainda algumas canções que já estou articulando para o próximo disco. Vou fazer algumas inéditas, no formato acústico – não vai dar para fazer completo, mas a galera já vai poder sentir o formato da música em si e a mensagem que ela quer passar.”

Antropofágico Miscigenado 2020 – Edi Ribeiro, Rodrigo San e Sebage – participação especial de Zecabêga. Dia 6, sexta-feira, às 20h. Couvert, R$ 10.

Restaurante Zeppelin – Rua Desembargador Artur Jucá, 40, Centro. Tel. (82) 98715 8009. Aceita todos os cartões.