Especial

Orla de Maceió ainda sofre com ‘línguas negras’

Berço das rendeiras do filé que ganhou fama nacional, praias do bairro litorâneo precisam de cuidados

27 de Julho de 2018, 13:36

Um mutirão de limpeza marcado para a próxima quarta-feira (16), às 9h – cujo percurso vai da Praia do Sobral até o Pontal –, é a primeira ação do projeto “Praia Viva”, cujo objetivo é a limpeza da praia e o entretenimento na região do Pontal da Barra. A iniciativa pretende contagiar as pessoas e incentivar o cuidado à praia e manter a orla mais limpa.

Diversos órgãos da prefeitura – secretarias municipais do Esporte e Lazer (Semel), do Meio Ambiente (Sempma), da Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum), da Articulação Social e a Secretaria Executiva do Gabinete do Prefeito (SEGP) – firmaram parceria nesta quarta-feira (9) com a Braskem e o Instituto Salve as Águas.

Esgotos clandestinos, depósitos de lixo a céu aberto e falta de saneamento são os principais fatores que tornam as belas praias da capital alagoana uma vergonha municipal. Com 40 km de extensão, o litoral maceioense é um dos mais belos entre as capitais do Nordeste. Eleita em uma enquete feita pelo site IG, no final do ano passado, como a cidade mais bonita do Brasil, Maceió ainda sofre com a falta de conservação e o desleixo ambiental generalizado. E é justamente nas praias, cartão-postal da cidade e área de lazer para a população, que a situação se torna preocupante. A aliança tríplice – prefeitura, iniciativa privada e organização não governamental – promoverá uma série de ações. 

O “Projeto Mar Aberto”

Já esta outra ação criada pela Sempma monitora diariamente os índices de balneabilidade das praias da cidade. De acordo com a Comunicação da secretaria, desde que surgiu, em março de 2005, o PMA tem fiscalizado toda a orla de Maceió, “eliminando ligações irregulares à rede de galerias pluviais, aplicando multas e interdições dos estabelecimentos que lançam águas incorretamente no mar”. 

Apesar dos esforços, as chamadas línguas negras ainda são presentes na paisagem litorânea da capital. Ações como o “Praia Viva” são, por isso, de extrema importância para o meio ambiente. A população agradece e também deve participar.