Especial

Projeto de casa sustentável para ser construída com materiais de PVC é premiado em Maceió

Vencedor André Fornari é de Florianópolis (SC) e disse que pensou numa 'casa sustentável bem aberta'

27 de Julho de 2018, 13:36

A empresa Braskem e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), seção Alagoas, fizeram a entrega dos prêmios aos três vencedores do concurso Casa PVC, cujo desafio foi a elaboração de projetos de construção de uma casa sustentável, utilizando material de PVC. A solenidade ocorreu no restaurante Picuí, na avenida da Paz, no bairro de Jaraguá, com participação dos arquitetos vencedores, de diretores da Braskem e do IAB-AL e de outros convidados, que degustaram do bufê preparado pelo chef Wanderson Medeiros.

O presidente da IAB-AL, Rafael Tavares, elogiou a iniciativa da Braskem por ter adotado a lei de licitação, “que diz que o concurso deve ser adotado preferencialmente”.  

“É a forma mais democrática, isonômica, de se contratar um projeto. Isso garante a qualidade do projeto”, afirmou Tavares, lembrando que é uma campanha do IAB a mudança da lei de licitação, para que as empresas adotem o concurso “não preferencialmente, mas sim obrigatoriamente”.

De acordo com Tavares, a iniciativa também “é um passo na área da sustentabilidade”.

“O projeto é de uma casa sustentável”, explicou o presidente do IAB-AL, “desde a utilização do PVC substituindo a madeira como forma para o concreto, mas também utilizando-o em telhas, pisos, esquadrilhas. É uma promessa para que futuras gerações possam usufruir desse novo modelo de casa. A intenção da Braskem é demonstrar uma utilização na construção civil do material que ela produz, que é o plástico de polietileno. Mas outras formas de sustentabilidade aparecem nas exigências para a elaboração do projeto, como a reutilização da água de chuva, aquecimento solar, ventilação e insolação. Colocamos no regulamento todas essas tecnologias, desde que fossem economicamente viáveis.”

À reportagem do Alagoas Boreal, o arquiteto André Fornari, de Florianópolis, primeiro colocado, observou que “metade do PVC é feito de um produto com o qual a Braskem trabalha, que é o sal” e que a empresa agora investe também na produção do polietileno verde, a partir da cana de açúcar. “A Braskem faz todo esse trabalho de pesquisa de materiais”. 

“O projeto nosso era usar o PVC como um sistema construtivo, substituindo a madeira”, complementou o paulista João Paulo Farias, que ficou em segundo lugar. 

“Na verdade, esse é um projeto conhecido como ‘Concreto PVC’, que a Braskem importou do Canadá. São formas de plásticos usadas em loteamentos, projetos como ‘Minha Casa, Minha Vida’, prédios de quatro andares”, informou Farias.

“O desafio foi fazer um projeto novo, de uma casa moderna, sustentável, com esse sistema, que era limitado em termos de linguagem – na verdade, ele imita o sistema comum de uma casa de alvenaria. Buscamos soluções para o projeto proposto pela Braskem e IAB”, concluiu o catarinense Fornari.

Ao todo, 44 arquitetos de todo o Brasil se inscreveram no concurso, porém somente 31 profissionais enviaram os projetos. Dentre os premiados, coube uma “menção honrosa” a Igor Ribeiro, de Fortaleza. Paulo Victor, também de São Paulo, ficou com o terceiro lugar. A Braskem disponibilizou R$ 18 mil para a premiação: R$ 10 mil para o primeiro colocado, R$ 5 mil para o segundo e R$ 3 mil para o terceiro. O vencedor também fechou contrato de seis meses, no valor de R$ 15 mil, para desenvolver o projeto.

A casa PVC sustentável será construída no Distrito Industrial Aprígio Vilela, em Marechal Deodoro, onde a Braskem mantém duas unidades PVC.

“A primeira delas foi construída há 25 anos”, informou o gerente institucional da empresa, Milton Pradines. “A segunda unidade foi inaugurada no ano passado. O concurso comemora esses 25 anos de trabalho com o PVC.”

Casa aberta

Ao receber o primeiro prêmio, André Fornari  disse que o projeto que concebeu junto ao escritório em que trabalha em Florianópolis foi de “uma casa aberta”.

“A ideia de ela ser uma casa de visitação, como casa modelo, levou-nos a buscar uma residência que fosse bem aberta, com uma leitura clara do projeto, dividida em dois blocos – social e privado –, com poucas paredes e que a visita fosse vinculada à sustentabilidade. O objetivo foi não somente cumprir as exigências do concurso, mas fazer com que o Concreto PVC seja mais disseminado no Brasil, que se consiga utilizá-lo de várias maneiras. A ideia foi mostrar na prática que ele é viável.”

O gerente de produção PVC da Braskem, Marco Aurélio Campelo, informou à reportagem que a construção funcionará como “um show room” no polo cloroquímico da empresa no município de Marechal Deodoro, a 32 km de Maceió. 

“A casa servirá apenas para visitação, demonstrando a utilização do PVC na construção e nos interiores dela . Toda ambientação dela utilizará material plástico”, disse Campelo, avisando que uma segunda casa será construída, na sequência, para que estudantes da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) “possam usar essas novas tecnologias”.