Lugares

Maceió e Maragogi entram na lista das cidades brasileiras preferidas pelos turistas

Em encontro de interlocutores em Brasília, Maceió também foi contemplada como 'melhor desempenho' do triênio

27 de Julho de 2018, 13:36

A Secretaria de Estado de Turismo (Setur) informou no site da Agência Alagoas que os municípios de Maceió e Maragogi estão na “seleta lista das cidades brasileiras preferidas dos turistas”. De acordo com o noticiário, a capital também foi contemplada – durante o Encontro de Interlocutores do Programa Nacional de Regionalização do Turismo, realizado no início do mês em Brasília (DF) –, com o prêmio de “melhor desempenho” numa média ponderada deste triênio. “A premiação reconheceu o potencial competitivo dos destinos turísticos de Alagoas”, afirmou a agência de notícias do Estado.

De acordo com Renato Lobo, interlocutor estadual do programa, o resultado “reforça a eficiência das ações da Setur na consolidação cada vez maior dos destinos locais”.

“Essa premiação contempla não somente a cidade, mas também o Estado, que identifica dificuldades e desenvolve melhorias”, destacou o funcionário da Setur.

O encontro em Brasília apresentou a mais nova ferramenta de categorização do turismo nacional. Segundo a Agência Alagoas, o modelo utilizado pela Setur desde o primeiro semestre de 2013 serviu de referência para essa ferramenta, que começa a ser utilizada, ainda este mês, em diversos Estados brasileiros. “As primeiras ações desenvolvidas para dar andamento a esse projeto do Ministério do Turismo (Mtur) são o cadastramento dos municípios e regiões dos Estados. O objetivo do programa é apoiar a gestão, estruturação e promoção do turismo em todo país, de forma descentralizada e regional”, destacou o informativo do governo.

Segundo a agência, “Alagoas é o Estado pioneiro na execução do Programa de Municipalização e Regionalização, que teve início ainda em 2012”. 

De acordo com o interlocutor Renato Lobo, o Programa de Municipalização e Regionalização do Turismo de Alagoas “é uma ferramenta de inteligência que foi desenvolvida para pontuar as dificuldades particulares de cada região”, de modo que o governo possa atuar com mais eficiência. “O objetivo é buscar uma alternativa de tornar o turismo daquela região sustentável”, concluiu Lobo.