Especial

Programa da Emater-AL ensina práticas agrícolas a estudantes e jovens infratores em União dos Palmares

Unidade agrícola serve ao aprendizado de 350 alunos

27 de Julho de 2018, 13:36

Em parceria com o município de União dos Palmares – distante 100 km de Maceió –, o Programa de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (Pais) desenvolve uma rotina de práticas agroecológicas com os 350 alunos da escola Edvar de Souza. A unidade agrícola – orientando os estudantes palmarinos sobre agricultura e cuidados com o meio ambiente – também atua como equipamento socioeducativo para jovens infratores. O Pais é coordenado pelo Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável (Emater), seção Alagoas.

De acordo com veículo de notícias do governo do Estado, a Agência Alagoas, o programa “busca melhorar a qualidade de vida das famílias que vivem da agricultura”, além de proporcionar sustentabilidade para as comunidades atendidas”. 

“No projeto educacional, tudo que é produzido é inserido na merenda escolar e o excedente é compartilhado com as famílias da comunidade”, afirma o noticiário. 

Em Alagoas, já foram implantadas 163 dessas unidades de agricultura familiar sustentável, com objetivos socioeducativos. “Quase cem delas foram custeadas pelo Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep)”, afirma o site da agência do governo.

A gestora do projeto da Emater-AL, Cidamilene Maria dos Santos, diz que a implantação da unidade na escola de União dos Palmares somente foi possível com o apoio do município. “As unidades Pais atendem comunidades terapêuticas com o intuito de promover a ressocialização. Em União, conseguimos implantar duas unidades em escolas porque o município fez acordo e cedeu um técnico agrícola para acompanhar e orientar os alunos.”

Segundo o informativo oficial, as unidades agroecológicas foram integradas ao Programa Municipal de Promoção da Paz nas Escolas e nas Famílias (Promepaz), sob o comando da Secretaria de Educação do município. “Com isso, além de promover aprendizado para crianças e jovens, entre sete e 16 anos, jovens em conflitos com a lei cumprem medidas socioeducativas, liberdade assistida e prestação de serviço à comunidade, cuidando da produção de hortaliças, legumes e animais”, explica a Agência Alagoas. 

“A atividade na escola deixou todos surpresos. A mudança de comportamento das crianças e o envolvimento das famílias – com a qualidade de vida, uma alimentação saudável – foram o resultado imediato do projeto. Já com os jovens que cumprem medidas socioeducativas, o maior propósito é fazer com que eles se recuperem com o apoio da família. Acompanhamos o desenvolvimento das atividades e o comportamento deles, tanto no cumprimento das tarefas determinadas pelo juiz quanto no seio da família. É um trabalho minucioso, mas que tem nos dado bons frutos”, declarou ao site do governo a coordenadora do Promepaz, Ana Cardoso.