Lugares

Região dos Quilombos é alvo de projeto turístico com duração de 36 meses e custo de R$ 2 milhões

O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (o Sebrae) anunciou nessa segunda-feira (9) o investimento de R$ 2 milhões

27 de Julho de 2018, 13:36

Um projeto de “Turismo Cultural e Ecoturismo” foi lançado nessa segunda-feira (9), no auditório do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (o Sebrae-AL), no centro de Maceió. A iniciativa, que conta com o apoio do governo do Estado, visa trabalhar turisticamente a região dos Quilombos, que engloba os municípios de União dos Palmares, Mar Vermelho, Murici, Capela, São José da Laje, Viçosa e Cajueiro. 

Uma série de ações será realizada num período de 36 meses. O projeto, que iniciará ainda este ano, vai até 2016. De acordo com a Comunicação do Sebrae, serão investidos R$ 2 milhões, porém, os municípios precisam estar “alinhados” à Cartilha de Regionalização do Turismo, distribuída pela Secretaria de Estado do Turismo (a Setur).

Segundo o Sebrae-AL, as ações propostas nessa segunda-feira apoiarão e ajudarão a desenvolver, anualmente, 200 empreendedores nas categorias de Microempreendedor Individual (MEI), Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP). “O objetivo é promover o desenvolvimento empresarial, incentivando a competitividade e a sustentabilidade dos pequenos negócios locais”, destaca a instituição, afirmando que o projeto possibilitará, também, a estruturação dos produtos da região dos Quilombos, focados especialmente nos aspectos culturais e no ecoturismo.

O diretor técnico Ronaldo Moraes afirma tratar-se de uma iniciativa importante “por sair um pouco das ações turísticas no Litoral”. 

“Essa área dos Quilombos”, diz ele, “tem um grande potencial, apelo histórico e repercute mundialmente por causa da figura de Zumbi.”

Para a gerente de Turismo e Economia Criativa, Vanessa Fagá Rocha, o projeto, entretanto, somente poderá alcançar os objetivos propostos contando com a parceria dos municípios. “As prefeituras são peças fundamentais, especialmente porque elas irão participar desse desenvolvimento econômico”, afirma a executiva do Sebrae.