Especial

Alagoas zera desmatamento da Mata Atlântica, segundo estudos da Fundação SOS Mata Atlântica

Registros do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais demonstram que o desmatamento foi de menos de três hectares; IMA aponta 'trabalho de fiscalização e proteção feito em muitos anos'

28 de Maio de 2020, 09:49

Da Redação

O Dia da Mata Atlântica, 27 de maio, foi comemorado em Alagoas pelo Instituto do Meio Ambiente (o IMA) com a divulgação de estudo feito pela Fundação SOS Mata Atlântica, que atesta que o Estado conseguiu zerar o desmatamento do bioma. “Alagoas é destaque nacional no mais recente relatório do Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica”, destaca o informativo do instituto enviado à Redação.

O estudo realizado em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (o Inpe), reúne dados de 2018 e 2019. “Alagoas está entre os nove Estados com queda no nível de supressão da vegetação, mas conquistou um destaque inédito: zerou o desmatamento do bioma. O Inpe considera zerado quando os registros estão abaixo de três hectares desmatados. Rio Grande do Norte é a única unidade federativa a compartilhar essa marca”, informa o IMA.

Cerca de 67% do herbário do IMA é mata atlântica

Para o diretor-presidente Gustavo Lopes, trata-se de um resultado “muito satisfatório para o IMA”. “É um reconhecimento originado de um trabalho de muitos anos que realizamos aqui em Alagoas nas ações de criação de áreas de proteção, licenciamento, fiscalização e educação ambiental."

A despeito desses dados vitoriosos, o relatório aponta perda de 27,2% da Mata Atlântica em território nacional. “Os maiores desmatamentos continuam acontecendo nas regiões mais críticas: nas áreas interioranas, limite com o Cerrado em Minas Gerais e Bahia e nas regiões Centro-Sul no Estado do Paraná”, informa o press-release do IMA, lembrando que a Mata Atlântica traz “uma grande diversidade de espécies e também um alto grau de endemismo”. “O bioma possui uma enorme importância ambiental, como na regulação do clima da região, proteção de encostas contra erosões e deslizamentos de terras. Serve, também, de habitat e proteção para várias espécies de animais, além de fornecer matéria prima para a utilização humana em diversos fins.”

De acordo com a curadora do Herbário MAC Rosângela Lemos, em Alagoas essa vegetação apresenta “valores únicos no bioma”. “A flora alagoana de Mata Atlântica possui fragmentos de mata extremamente importantes, predominando os angiospermas, grupo que se caracteriza por apresentar flores e frutos. Em sua paisagem também estão incluídas outras formas como arbustos, epífitas algumas bastante conhecidas como orquídeas e bromélias, além de trepadeiras, ervas e lianas.”