Turismo em Pauta

Garanhuns, uma atraente cidade turística do agrado dos alagoanos

A cidade localizada no agreste pernambucano, a 179 km de Maceió, já foi o principal destino de recém-casados e continua a exercer seu fascínio sobre turistas da capital e do interior de Alagoas

26 de Junho de 2020, 10:44

Ivaldo Pinto é jornalista

Garanhuns é uma das mais atraentes cidades turísticas do interior de Pernambuco.  A “Suíça Pernambucana", como é conhecida, exerce grande fascínio sobre os alagoanos e é muito procurada na época invernosa, quando registra baixas temperaturas, e no período natalino, quando se enfeita para receber os turistas.

O encanto dos alagoanos por Garanhuns, distante 179 km de Maceió, não é de agora, vem de décadas. Foi por muitos anos destino de lua de mel de maceioenses e, também, de pessoas do interior de Alagoas. Os casais mais antigos lembram com saudade dos momentos inesquecíveis que passaram no tradicional Hotel Tavares Correia, o preferido dos recém-casados, nos tempos áureos.

Localizada no agreste pernambucano, a 896 metros acima do nível do mar, Garanhuns, fundada em 1879,  tem uma população estimada de 139.788 habitantes (IBGE/2019).  Erguida entre sete colinas: Monte Sinai, Triunfo, Columinho, Ipiranga, Antas, Magano e Quilombo, Garanhuns é um importante polo turístico e dispõe de bons hotéis, pousadas restaurantes e barzinhos.

Em Garanhuns acontecem dois grandes eventos: o Festival de Inverno, com atrações nacionais e locais, em julho, e “A Magia do Natal”, no final do ano, quando a cidade ganha uma bonita decoração natalina e acontecem eventos musicais e desfiles na Avenida Santo Antônio, no centro comercial da cidade, onde está localizada a Igreja Matriz de Santo Antônio, visitada por nativos e turistas.

Principais atrações turísticas

Parque Euclides Dourado (também conhecido como Parque dos Eucalíptos). Está instalado em uma área de oito hectares e conta com centro desportivo, piscinas, quadras, pista de cooper e bicicletas para alugar. No local funciona também a Biblioteca Municipal Luís Jardim.

Praça Tavares Correia, um dos cartões-postais da cidade, é um lugar com muitas flores e grama. A grande atração é, sem dúvida, o Relógio de Flores, com quatro metros de diâmetro. O relógio, construído em 1979, tem números feitos com plantas e flores e funciona a cristal de quartzo.

Fundado em 1940, o Mosteiro de São Bento lembra os mosteiros beneditinos:  dispõe de claustro, cripta e capela medieval. O mosteiro é uma escola de formação de monges e fábrica de hóstias. No prédio há também uma lojinha que comercializa artigos religiosos, bem como licor de jenipapo, chocolate e ameixas. Conta, ainda, com estrutura de hospedaria nos festivais e grandes eventos realizados na cidade.

Parque Ruben van der Linden, conhecido também por Pau Pombo, fica no centro, vizinho ao Hotel do Sesc. O nome é estrangeiro, mas o homenageado, criador do parque, no século passado, é garanhuense. O parque funciona em área onde antes era a companhia de abastecimento de água de Garanhuns. No parque há árvores, flores raras, lagos, grutas, fontes de água e pássaros.

Castelo de João Capão, construído em estilo medieval em pleno Agreste. O castelo, localizado no bairro de São José, em Garanhuns, foi um sonho realizado do eletricista e encanador João Ferreira da Silva, conhecido popularmente como João Campão. Ele faleceu em maio de 2016, vítima de um enfarto, no Hospital da Restauração, no Recife. 

Cristo do Magano fica a 1.030 metros de altitude, sobre um mirante em forma de fortaleza de pedra. No monumento, inaugurado em 1954, há uma imagem do Cristo crucificado, obra esculpida pelo artista Renato Pantaleão. O lugar atrai muitos turistas e é ideal para se observar um belo pôr do sol.

Santuário da Mãe Rainha, fica localizado no alto da Colina Triunfo, e foi construído em 2002. Lugar perfeito para contemplação, meditação e oração, o santuário recebe peregrinos de vários estados nordestinos, em especial de Alagoas. Possui capela, amplo estacionamento, para ônibus e automóveis, lanchonete e lojinha de artigos religiosos.

  • O município de Japaratinga, no litoral Norte, é conhecido pela beleza exótica de suas praias, emolduradas por vastos coqueirais. A mais frequentada é a de Barreiras do Boqueirão, um povoado distante 4,8 km ao sul da sede do município, onde há bons restaurantes e barzinhos que servem deliciosos pratos da gastronomia regional, afora aconchegantes pousadas. No povoado, além sua belíssima praia de águas calmas e mornas, há uma outra atração natural: uma bica de água doce que proporciona refrescantes banhos a homens e mulheres, separadamente.  Barreiras do Boqueirão é ideal para aqueles que procuram refúgio longe do corre-corre da cidade grande e aproveitam para descansar e relaxar. O acesso a Japaratinga, distante 80 km de Maceió, é feito pela AL-101/Norte e AL-465/Norte.
    Praia de Barreiras do Boqueirão e suas piscinas naturais, quando a maré baixa
  • Na sexta-feira (19), o governador Paulo Câmara assinou decreto que regulamenta o acesso a praias, parques e calçadões a cargo dos municípios. Com relação às praias, o decreto é válido apenas para cidades da Região Metropolitana do Recife (RMR). Já as faixas litorâneas das Matas Sul e Norte permanecem fechadas porque ainda não estabilizaram os números da contaminação da covid-19. A determinação passou a valer no sábado (20). Dando continuidade ao Plano de Convivência com a covid-19, o governo do Estado estabeleceu uma série de discussões com os municípios sobre as atividades sociais. Por sua vez, a Secretaria de Turismo e Lazer definiu junto com as prefeituras da Região Metropolitana protocolos para o restabelecimento das atividades nas praias de maneira gradual.
  • Voltando ao passado, destacamos o dia 30 de novembro de 2006, quando foi assinado pelo governador de Alagoas, Luiz Abílio de Souza, de saudosa memória, o decreto de Tombamento do Complexo de Angiquinho, iniciativa da Fundação Delmiro Gouveia (Fundeg). Na ocasião, Angiquinho foi tombada pelo governo do Estado como Sítio Arqueológico, Histórico e Cultural de Alagoas.  Construída pelo industrial cearense Delmiro Augusto da Cruz Gouveia, na margem alagoana do Rio São Francisco da Cachoeira de Paulo Afonso, Angiquinho – a primeira hidrelétrica do Norte/ Nordeste brasileiro – foi inaugurada em 26 de janeiro de 1913. A hidrelétrica é uma das principais atrações turísticas de Delmiro Gouveia, cidade distante 301 km de Maceió, no sertão alagoano.
    Solenidade do Tombamento do Complexo de Angiquinho, em Delmiro Gouveia
  • Portugal recuou na retomada das atividades em Lisboa, a fim de evitar que a transmissão do novo coronavírus volte a crescer. O limite para reuniões de pessoas foi novamente reduzido para no máximo dez. No restante do país, porém, continua valendo a regra mais leve, que permite reuniões para 20 pessoas. Com a nova medida, que começou na segunda-feira (19), lojas, cafés e bares terão que fechar às 22h em toda a região metropolitana da capital portuguesa. Segundo o primeiro-ministro António Costa, a aplicação dessa medida visa coibir festas e outras aglomerações que colocam em risco a saúde pública. Acrescentou o primeiro-ministro que o governo tomará outras medidas pontuais em regiões específicas em que a incidência do coronavírus é maior, entre as quais a de fortalecer a coordenação entre governos locais e o Ministério da Saúde para que as notificações sejam mais rápidas.

Contato: ivaldopintodebarros@hotmail.com