Cultura

Teatro de Arena Sérgio Cardoso faz 48 anos e chama artistas do hip hop para comemorar

Coletivo Nois Q Faz realizaria este mês a quarta edição da Mostra Alagoana de Cultura Hip Hop; vídeo produzido pela Diteal pode ser acessado no YouTube e redes sociais

14 de Julho de 2020, 11:32

Da Redação

O Teatro de Arena Sérgio Cardoso, anexo ao Teatro Deodoro no centro da capital à rua Barão de Maceió, 374 (Praça Deodoro), comemora nesta terça-feira (14) aniversário de 48 anos. “Um espaço forte, importante e representativo das artes cênicas de Alagoas”, destaca o informativo da Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (a Diteal) enviado à Redação. Um vídeo contando a brava (e essencial) história do Arena, com participação de Nando Rozendo, do coletivo de hip-hop Nois Q Faiz, foi produzido pela Diteal.

“A comemoração do aniversário do espaço faz parte da nossa agenda fixa de eventos”, afirma a diretora-presidente da Diteal, Sheila Maluf, explicando que a instituição teve de se adaptar a esse período de isolamento social, que fechou as portas deste e outros teatros mundo afora. “Elaboramos um vídeo para dar parabéns ao Arena, abraçar os nossos artistas e dialogar com o público.”

A Mostra Alagona de Cultura Hip-Hop, criada pelo coletivo Nois Q Faiz em 2017 em parceria com a Diteal, realizaria sua quarta edição este mês – o que será compensado com depoimentos e atuações de artistas do hip hop no novo vídeo da Diteal, que pode ser visto no site da Diteal, nas redes sociais e no canal do Teatro Deodoro no YouTube.

Sérgio Cardoso inaugurou o Arena com a peça de Pirandello 'O Homem da Flor na Boca'
O ator paulista Sérgio Cardoso morreu em agosto de 72

Nando Rozendo, o MC Tribo do coletivo Nois Q Faz, apresenta algumas de suas novas canções e fala sobre as atuações de seu grupo nesse antológico palco alagoano. Também participam do vídeo os MCs Elhy Santhos e Diego Verdino, além do grafiteiro Raffa e do gerente artístico e cultural da Diteal, Alexandre Holanda.

“Todos esses trabalhos que me envolvi e me envolvo”, conta Nando Rozendo, “têm um fundamento na cultura hip-hop, de periferia, que propicia ao jovem enxergar o mundo de um jeito diferente, vendo-se como o autor da sua história, como ator principal, podendo descrever, de forma autônoma, através da cultura e da arte, a sua história.”

O gerente artístico Alexandre Holanda lembra que no ano de fundação do Arena, 1972, vivíamos um período “muito difícil, de repressão, de ditadura”. “Mesmo assim, Alagoas consegue trazer mais um palco para o seu cenário local. Esse palco se torna de resistência, histórico, muito importante para os artistas e fazedores da cultura e da arte aqui no Estado.”

Para Holanda, a parceria com o coletivo Nois Q Faiz “é uma proposta séria, de continuidade, que traz a periferia, onde temos a maior força do hip-hop, para as instituições públicas, aos palcos alagoanos”. “É muito importante que essa parceria continue. Estamos, nesse momento, celebrando a fundação do Teatro de Arena Sérgio Cardoso, a parceria com a Nois Q Faiz e com a periferia. Nós passaremos, quem estiver aqui que se faça passarinho para deixar a porta sempre aberta e para trazer todas as manifestações artísticas e culturais de Alagoas para dentro dessa casa e, de dentro dessa casa, de Alagoas para o mundo.”