Turismo em Pauta

Com a retomada do turismo, Maceió recebe de braços abertos visitantes brasileiros e estrangeiros

22 de Julho de 2020, 11:47

 

Ivaldo Pinto é jornalista

Maceió, finalmente, retoma as suas atividades turísticas após quatro meses paralisada, em razão do novo coronavírus. O retorno das atividades, com medidas preventivas à disseminação da covid-19, ocorreu na quarta-feira (15), com a chegada dos primeiros grupos de turistas, para alegria dos empresários da hotelaria, dos restaurantes, bares e similares, além dos trabalhadores informais.

A capital alagoana, com mais de um milhão de habitantes, é o principal portão de entrada do turismo do Estado. É conhecida, em nível nacional e internacional, por suas paradisíacas praias urbanas e a deslumbrante lagoa Mundaú. A cidade, ideal para férias em qualquer época do ano, dispõe de uma estruturada rede hoteleira, shoppings centers, aeroporto internacional, centro de convenções, restaurantes de categoria internacional e aconchegantes barzinhos à beira-mar. 

A orla marítima de Maceió é atraente. Tem calçadão, feiras de artesanato, ciclovia e quiosques que servem deliciosos pratos da culinária alagoana, afora os restaurantes do entorno que têm cardápio variado com destaque para a comida regional e internacional.  Hospedagem não é problema: há hotéis padrão de uma a cinco estrelas, sem esquecer as confortáveis pousadas e hostels.

A capital alagoana dispõe de outras praias mais afastadas como Jacarecica, Guaxuma, Garça Torta, Riacho Doce, Mirante da Sereia, Pratagy e Ipioca, todas no litoral Norte, dentro dos limites do município. Essas praias são tranquilas, mas nos fins de semana registram grande movimento de banhistas. 

Com hotéis fechados, hotelaria carioca tem prejuízo de R$ 720 milhões
  •  Não está nada fácil para o turismo no Rio de Janeiro, em razão da covid-19. Nos últimos quatros meses a hotelaria carioca teve um prejuízo estimado em R$ 720 milhões, segundo pesquisa realizada pelos Hotéis Rio (Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município do Rio de Janeiro). A pesquisa faz parte do Índice de Performance da Hotelaria do Rio de Janeiro e revelou ainda que a maioria dos meios de hospedagem da capital não tem previsão de data para reabertura.  Ainda de acordo com a pesquisa, seis estabelecimentos fecharam definitivamente na cidade e, atualmente, 66 outros estabelecimentos hoteleiros da capital estão com suas operações temporariamente suspensas, entre hotéis, hostels e albergues.
    Delegação da Ematur participa do Festival de Turismo de Gramado em 1989
  • Em novembro de 1989, as belezas naturais de Alagoas foram divulgadas pela Empresa Alagoana de Turismo (Ematur) no 2º. Festival de Turismo de Gramado (Festuris). Na época, o governador de Alagoas era Moacir Andrade, que não mediu esforços para que o Estado fizesse bonito nesse importante evento em Gramado, na Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul. Enviou até o secretário de Comunicação de Alagoas, Rosivan Vanderlei,  para acompanhar a delegação alagoana, que teve à frente o presidente da Ematur, Maurício César Breda, e assessores, hoteleiros e agentes de viagens. Na foto, em frente ao estande de Alagoas, na Feira de Turismo, aparecem, da esquerda para a direita, Maurício Breda, Rosivan Vanderlei, jornalistas Wilson Muller e Antônio Noya e o assessor especial da Ematur, Paulo Goés.
    Centro de Convenções Poeta Ronaldo Cunha Lima, em João Pessoa
  • Na sexta-feira (15), o presidente do Convention & Visitors Bureau de João Pessoa, hoteleiro Marcus Abrantes, anunciou a elaboração de projeto que visa a redução do ISS para o setor de eventos, objetivando tornar a capital paraibana ainda mais atrativa na captação de congressos associativos, eventos corporativos e feiras comerciais. Para justificar o projeto, que foi encaminhado à Frente Parlamentar de Turismo da Câmara Municipal de João Pessoa, Abrantes argumenta que João Pessoa perdeu atratividade tributária perante as capitais vizinhas que praticam alíquotas significativamente menores, acrescentando que a reivindicação da redução do ISS é importante para o novo cenário e sendo aprovada, será um diferencial competitivo e estratégico, tornando João Pessoa um destino mais competitivo e atraindo eventos o ano inteiro.
  • No mês passado, mais de 96 mil pessoas (embarques e desembarques) passaram pelo Aeroporto Internacional do Recife – Guararapes/ Gilberto Freyre, um aumento de 58,5% na movimentação de passageiros no comparativo de junho em relação a maio desse ano, de acordo com dados do aeroporto, administrado pela espanhola Aena. Além disso, Pernambuco saltou de 30 voos (pousos e decolagens) diários em junho, para 58 no mês de julho. Os números confirmam a posição do Aeroporto do Recife como a principal porta de entrada do Nordeste. Fazendo um comparativo, o Aeroporto Internacional de Salvador – Deputado Luís Eduardo Guimarães, outro terminal importante na região, registrou um crescimento de 39,5% no período, movimentando um pouco mais de 56 mil passageiros.

Contato: ivaldopintodebarros@hotmail.com