Especial

Governo e ONU-Habitat iniciam projeto para enfrentamento da covid-19 nas grotas de Maceió

Proposta de ação é única no Brasil selecionada entre 56 no mundo; segundo Renan Filho, serão observadas "as necessidades da população de cem grotas nesse momento de pandemia"

27 de Julho de 2020, 10:22

 

Da Redação

O governo de Alagoas realiza, junto com as Organização das Nações Unidas (a ONU), o projeto “Covid-19: Monitoramento e Resposta rápida baseada em Evidências em Assentamentos informais de Maceió & Intercâmbio de Conhecimento com o Rio de Janeiro e Cidades lusófonas”. Nome longo com o “objetivo maior” de conduzir a gestão pública na criação de ações contra a pandemia do novo coronavírus em cem grotas de Maceió.

A execução do projeto – uma parceria do governo de Alagoas com o Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (o Habitat) –  já começou. “É o único do Brasil selecionado entre 56 propostas do mundo e é financiado pelo Fundo Emergencial para Atividades de Apoio ao Combate à covid-19”, destaca a agência de notícias do governo.

Ação terá duração de três meses, envolvendo jovens para conscientização das comunidades

De acordo com a Agência Alagoas, a ação terá duração de três meses, apresentando dois componentes principais. “O primeiro é a produção de dados, que tem como objetivo o levantamento de informações junto a líderes comunitários e à população das grotas de Maceió por meio de pesquisa telefônica – a primeira rodada de entrevistas teve início no dia 17 de julho. O segundo é a participação e engajamento comunitário que tem o intuito de envolver jovens moradores das grotas na criação de conteúdos de comunicação para conscientização e difusão sobre a covid-19 nas grotas, e fora delas também.”

Segundo a reportagem publicada pelo noticiário oficial na sexta-feira (24), “os dados coletados servirão de embasamento para um diagnóstico sanitário e socioeconômico que auxiliará na formulação de soluções emergenciais e políticas de sustentabilidade para melhoria das condições de vida nessas localidades”.

O governador Renan Filho diz que a ação “é extremamente importante para fortalecer ainda mais as políticas públicas voltadas para a população em situação de maior vulnerabilidade”. “Vamos identificar, com um olhar ainda mais apurado, as necessidades da população das grotas nesse momento de pandemia e de que forma atuaremos na posterior recuperação econômica e aumento da qualidade dessas famílias.”

Alain Grimard, sênior internacional do ONU-Habitat Brasil afirma que o projeto busca “entender melhor essa dinâmica para organizar uma resposta mais articulada com essa realidade”. “Como adaptar e acompanhar essa população de maneira que o impacto da covid-19 seja menos agressivo nesses assentamentos informais.”