Especial

Em tempos de pandemia, é recomendável cultivar plantas em casa para aliviar a tensão

No mês de prevenção ao suicídio, o Instituto do Meio Ambiente relaciona algumas espécies da flora alagoana, que podem ser cultivadas em casa como forma de trazer às pessoas alívio e bem estar

02 de Setembro de 2020, 14:57

 

Da Redação

 

Com a chegada do “mês amarelo”, setembro, escolhido pelo governo como o mês de prevenção ao suicídio, o Instituto do Meio Ambiente (o IMA) está recomendando o cultivo das plantas em casa como forma de obter “alívio psicológico”. “É um cuidado diário próximo, que cria uma rotina – essencial durante este período de pandemia e distanciamento social, em decorrência da covid-19”, destaca o informativo do IMA enviado à Redação.

 

Para a psicóloga Telma Low, professora da Universidade Federal de Alagoas (a Ufal) é preciso “buscar modos pessoalmente confortáveis de encarar o cotidiano inesperado imposto neste momento”. “Reestabelecer laços com a natureza pode ajudar as pessoas a construir uma nova rotina de leveza e prazer. Vivemos um período de exceção, desafiador para todo mundo, sem a normalidade anterior a essa pandemia.”

 

Várias espécies encontradas na flora alagoana podem ser cultivadas em ambiente doméstico

De acordo com a psicóloga, para quem pode ficar em casa, a pandemia traz essa oportunidade de “tomar um momento para si e descobrir coisas que podem dar prazer e trazer leveza ao cotidiano”. O cultivo das plantas é uma dessas coisas. “Além de meditar, escutar música, rezar”, observa Telma Low.

 

Para a gerente de fauna, flora e unidades de conservação do IMA, Isabel Nepomuceno, várias espécies da flora alagoana podem ser cultivadas em ambiente doméstico. “Temos espécies originadas na Mata Atlântica e Caatinga, que são muito utilizadas no paisagismo, destacando o guaimbé e a coroa-de-frade.”

 

Espécies que exigem pouca água são as mais recomendadas para o cultivo em casa. Guaimbé (philodendronbipinnatifidum), coroa-de-frade (melocactusbahiensis), mandacaru (cereus jamacaru), broméliasa orquídea rainha-do-sertão (cattleyalabiata) e a clusia (clusiafluminensis) são algumas dessas espécies que não precisam ser regadas diariamente. Importante destacar, porém – observa o press-release do IMA –, que cada uma dessas plantas pede cuidados, vasos e iluminações diferentes.

 

“As espécies mencionadas”, avisa o Instituto do Meio Ambiente, “podem ser encontradas facilmente na flora alagoana, mas não devem ser retiradas do ambiente natural sem a devida permissão legal. A atividade configura infração ambiental. As plantas devem ser adquiridas de produtores comerciais legalizados.”