Especial

Governo lança programa de auxílio a famílias pobres com crianças de até seis anos

Núcleos familiares com gestantes e crianças de até seis anos portadoras de síndrome congênita por zika vírus também receberão benefício; Renan Filho conduzirá cerimônia nesta segunda-feira (1º.) em Maceió

01 de Fevereiro de 2021, 09:14

Iara Malta/ Agência Alagoas

O governador Renan Filho lança, nesta segunda-feira (1º.), no Centro de Convenções à rua Celso Piatti, no Jaraguá (região central de Maceió), às 11h, o cartão Cria, o maior programa de transferência de renda de Alagoas, que beneficiará famílias que vivem na pobreza e extrema pobreza e que possuem gestantes ou crianças de até seis anos de vida e crianças portadoras da síndrome congênita por zika vírus, também com seis anos. A ação faz parte do programa Criança Alagoana (Cria), formulado pelo Estado para garantir o desenvolvimento integral da primeira infância.

O cartão Cria será um auxílio financeiro pago mensalmente, através da Caixa Econômica, e que deverá ser destinado a compras de alimentos para garantir mais qualidade nutricional para gestantes e crianças. Neste primeiro momento, já foram cadastradas nove mil famílias, com gestantes em sua composição, as quais já começarão a receber o benefício a partir de fevereiro.

De acordo com a Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), gestora do cartão, o governo do Estado quer alcançar cerca de 140 mil famílias cadastradas até o final de 2021.

Os novos cadastros já estão em andamento em todos os municípios e as famílias que têm grávidas e crianças devem procurar os Centros de Referência e Assistência Social (Cras) munidas da documentação exigida. 

Para a coordenadora do programa Cria, a primeira-dama Renata Calheiros, Alagoas dá início a um novo tempo, ao voltar o olhar de políticas públicas para a primeira fase da vida dos alagoanos. “O propósito do Cria", explicou, "é fazer uma transformação social, dando condições para o desenvolvimento integral das crianças. Estamos falando em resultados em longo prazo, mas com ações sólidas para o rompimento do ciclo de pobreza.”