Turismo em Pauta

Artesanato em cerâmica de Capela é referência em Alagoas e se destaca em nível internacional

No município distante 62 km de Maceió, destacam-se dois grandes artistas: o mestre João das Alagoas e a badalada Sil, querida por galeristas de todo o Brasil

12 de Fevereiro de 2021, 16:27

Ivaldo Pinto é jornalista

Em Alagoas, há cidades com potencial turístico que merecem ser visitadas. Cada uma delas apresentam características próprias e reservam agradáveis surpresas, como é o caso de Capela, distante 62 km de Maceió. Essa cidade da Zona da Mata, com uma população estimada de 34.514 habitantes (IBGE/ 2020), destaca-se por seu artesanato em cerâmica, conhecido até no exterior, graças aos esmerados trabalhos dos artesãos João Carlos da Silva Freitas,  cognominado João das Alagoas, e de sua discípula  Maria Luciene da Silva Siqueira, mais conhecida como Sil  da Capela,  ex-cortadora de cana. 

Esses dois conceituados artesãos, com suas mãos hábeis, cada qual com técnica singular, produzem bonitas peças de cerâmica que, aliás, ganharam o mundo. Por exemplo, João das Alagoas, que em 2011 recebeu o título de Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas, é mestre no modelar de lapinhas e na religiosidade de seu povo, bem como nas histórias do folclore nordestino, como o bumba-meu-boi; dos casamentos, dos batizados e das mais típicas brincadeiras de rua das crianças brasileiras. É, atualmente, um dos maiores artesãos brasileiros.  

Em seu currículo, João das Alagoas contabiliza vários prêmios de melhor artesão, menção honrosa em Córdoba, Argentina. Suas obras integram  importantes coleções de arte popular em museus e galerias de capitais como Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. No seu ateliê, em Capela, reformado pelo governo do Estado, como parte do programa “Alagoas feita à Mão”, João das Alagoas, além de produzir peças de cerâmica, dá aulas para interessados em aprender a arte da cerâmica.   

Sil da Capela, por sua vez, é sem dúvida uma das mais expressivas artistas populares do Brasil e já teve seu trabalho exposto no Museu Afro, em São Paulo. A artesã tem um bom número de clientes que são galeristas de todo o Brasil, e suas esculturas já foram para o México, Estados Unidos, Espanha e França.   

Nascida no vizinho município de Cajueiro, Sil trabalhou muitos anos nos canaviais da Zona da Mata, como cortadora de cana, mas foi adotada pela cidade de Capela aos 16 anos, onde nasceu a sua primeira filha, Cristina, diagnosticada com autismo. Foi quando, em busca de novas oportunidades, Sil participou de uma oficina para mães com filhos especiais, ministrada pelo ceramista João das Alagoas. Daquele dia em diante sua vida começou a mudar e ela se transformou numa talentosa artesã reconhecida internacionalmente através de suas obras.  

Notas 

Hotel Tambaú vai se chamar Ocean Palace Tambaú Beach Resort/ Fotos/ Ivaldo Pinto
  • O Hotel Tambaú, um dos cartões-postais de João Pessoa, foi arrematado pelo Grupo A. Gaspar, do Rio Grande do Norte, por 40,6 milhões, em leilão realizado no Rio de Janeiro, na quinta-feira (4). Localizado numa área privilegiada, de 38.200 metros quadrados, na Avenida Almirante Tamandaré, na capital paraibana, o hotel, com 12 mil metros quadrados de área construída, dispõe de 173 apartamentos com vista para o mar ou para os jardins da propriedade. O Tambaú, que durante muitos anos foi o único cinco estrelas de João Pessoa, passará a se chamar Ocean Palace Tambaú Beach Resort, e a previsão é que volte a funcionar em outubro deste ano. A unidade hoteleira pertencia à Rede Tropical de Hotéis, da Varig, que entrou com pedido de falência em 2006. O Grupo A. Gaspar é proprietário do Ocean Palace Resort, Beach & Bangalows, de Natal (RN).  
  • Por conta da pandemia e suas restrições, o turismo mundial registrou seu pior ano da história em 2020, com queda de 74% nas chegadas internacionais, segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT).  Destinos em todo o mundo receberam 1 bilhão a menos em 2020, em relação a 2019. De acordo com o último Barômetro Mundial do Turismo da OMT, o colapso das viagens internacionais representa uma perda estimada de US$ 1,3 trilhão em receitas de exportação, um número que é mais de onze vezes as perdas registradas durante a crise econômica global de 2009. Com relação a queda geral nas chegadas internacionais, as Américas registraram uma queda de 69%. Já a Ásia e o Pacífico, onde a Covid-19 começou, 84%.  Oriente Médio e África registraram queda de 75%, enquanto que a Europa  teve uma queda de 70% no número de chegadas.  
    Comerciante Newton Melo Bastos, de camiseta azul, criador do famoso caldinho de Capela

     

  • Afora o rico artesanato em cerâmica, Capela também se destaca na área gastronômica com o famoso Caldinho da Capela, hoje Patrimônio Imaterial de Alagoas, em razão do projeto de lei ordinária nº 293/2020, de autoria do deputado Inácio Loiola (PDT), aprovado na Assembleia Legislativa. Os tradicionais caldinhos de feijão e o misto, feijão com galinha, foram criados pelo comerciante Newton Melo Bastos, há mais de 45 anos, e caíram no gosto popular. Para se ter uma ideia, maceioenses e turistas saem de Maceió e vão até Capela provar dessa saborosa iguaria, que é comercializada das 9h às 12h, impreterivelmente, de segunda à sexta-feira, e delivery aos sábados e domingos.  
Roberto Fernandes, no momento em que assinava o livro de posse/ Foto/ Ematur

De volta ao passado  

Em 1986, o governador de Alagoas Divaldo Suruagy deixou o cargo para se candidatar ao Senado, nas eleições daquele ano. No seu lugar, assumiu o vice-governador José Tavares. Como é normal, são realizadas mudanças na equipe de colaboradores do governo, nas secretarias de Estado, empresas de economia mista e demais órgãos. Na Empresa Alagoana de Turismo (Ematur), por exemplo, saiu o presidente Caio Porto Filho e assumiu o engenheiro Roberto Fernandes. A solenidade de transmissão de cargo, na sede da Ematur, foi concorrida e teve a presença do então secretário da Indústria e Comércio, Noé Simplício, e outras autoridades.  

Contato: ivaldopintodebarros@hotmail.com