Especial

Prefeitura admite ‘pressionar’ Braskem para pagamento de indenizações atrasadas à população

Foi o que declarou o coordenador Ronnie Mota ao presidente da Associação dos Empreendedores do Bairro do Pinheiro e Região Afetada, Alexandre Sampaio

30 de Março de 2021, 14:44

Da Redação

Na manhã desta terça-feira (30), Ronnie Mota, coordenador do gabinete criado pelo prefeito JHC (PSB) que gerencia os impactos do afundamento de solos em Maceió (o GGI dos Bairros), afirmou o compromisso da prefeitura para o estabelecimento de um acordo justo com a indústria de petroquímica Braskem. De acordo com a Comunicação da  Associação dos Empreendedores do Bairro do Pinheiro e Região Afetada, esse acordo deverá garantir “o pagamento das indenizações atrasadas aos moradores e empresários prejudicados pelo estado de calamidade decretado em grande parte da capital”. O pacto foi firmado na reunião entre Mota e o presidente da associação dos empresários, Alexandre Sampaio, nesta terça-feira, na sede da prefeitura e registrado em vídeo", destacou o informativo enviado a Redação.

Alguns desses atrasos de pagamentos, de acordo com Sampaio, "chegam a seis meses". “Além disso”, informa a associação, “algumas das 3.500 empresas afetadas sequer estão previstas para o recebimento de verba indenizatória”. Para o empresário, muitos desses acordos estabelecidos entre a Braskem e o Ministdeério Público (tanto estadual como federal) “são inconsistentes”. “No entanto”, explica o informativo enviado à Redação, “os documentos decorrentes dessas negociações carecem, agora, da assinatura do prefeito atual para que o caso seja efetivamente encerrado".

Para o coordenador do GGI dos Bairros, a previsível conduta da mineradora é “absurda”. “Os empreendedores e os moradores podem confiar que vamos pressionar para que a assinatura desse acordo esteja condicionada ao pagamento das indenizações atrasadas”, declarou Mota. 

Segundo a Associação dos Empreendedores do Bairro do Pinheiro e Região Afetada, “em quase dois anos desde a confirmação da relação entre a extração de sal-gema operada pela Braskem e o afundamento do solo nos bairros Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto, essa é a primeira vez que um dos poderes municipais firma compromisso com os empreendedores afetados”.