Especial

Campanha alerta para a prevenção e diagnóstico precoce de doenças que causam cegueira

Perda da visão afeta 1,2 milhão de brasileiros, mas a maior parte dos casos podem ser evitados; 'consulte seu oftalmologista regularmente', ensina o especialista Cleovan Almeida

28 de Abril de 2021, 09:37

Da Redação

Abril é o mês de prevenção e diagnóstico precoce de doenças que causam cegueira. De acordo com o Centro Brasileiro de Cirurgia de Olhos, a perda da visão afeta 1,2 milhão de pessoas no Brasil, mas, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 80% dos casos são evitáveis.

“A cegueira é uma condição caracterizada pela perda da habilidade de enxergar e, segundo o oftalmologista do Sistema Hapvida Maceió, Cleovan Almeida, a melhor maneira de prevenir a ocorrência é com a realização de exames de rotina com um médico”, destaca o informativo da empresa enviado à Redação.

'O glaucoma provoca lesões no nervo ótimo', diz especialista

Segundo o doutor Cleovan Almeida, “várias doenças podem levar à cegueira, mas as mais comuns são o glaucoma, catarata, retinopatia diabética e a ambliopia”. “O glaucoma”, diz ele, “provoca lesões no nervo ótico e, como consequência, o comprometimento visual.”

Já a catarata, comum em pessoas acima dos 55 anos, causa a opacificação do cristalino. Almeida diz que a catarata “pode cegar se a cirurgia não for realizada a tempo”. Por sua vez, a retinopatia diabética ocorre devido ao excesso de açúcar no sangue que danifica os vasos sanguíneos da retina. E a ambliopia, também chamada de olho preguiçoso, é caracterizada pela baixa visão que não é corrigida com óculos. 

“A ambliopia é um problema sério que, muitas vezes, pode passar despercebido pela criança ou pelos pais. Se não tratado de maneira precoce, pode deixar sequelas que afetarão o pequeno por toda a vida”, alerta o oftalmologista, afirmando que o cuidado com a saúde dos olhos “deve começar ainda na infância e perdurar até a melhor idade”. “Crianças de até dois anos precisam ser avaliadas por um oftalmologista de seis em seis meses, e, a partir dessa faixa etária, uma vez ao ano.”

O especialista destaca, ainda, que pessoas que possuem algum fator de risco devem “redobrar a atenção e estar sempre atentas a qualquer sintoma ou alteração na visão”. “O paciente que tem diabetes, por exemplo, deve ter atenção especial, visto que elevados níveis de açúcar no sangue podem desencadear várias doenças oculares.” 

Outros fatores de risco que podem levar à cegueira - destaca o press-release do Hapvida - incluem trauma, nascimento prematuro, pessoas que trabalham com produtos químicos, pessoas com graus altos de miopia e idade. “Ter informações a respeito das doenças que podem levar à cegueira é o primeiro passo para a adoção de medidas preventivas”, ensina Cleovan Almeida. “Consulte o seu oftalmologista regularmente. Quem cuida da saúde se preocupa com a vida. Faça isso por você.”