Cultura

Poeta Ana Karina Luna é entrevistada pela artista visual Alice Barros

O encontro acontece às 15h30, na rede social do Instagram; trata-se de uma série de debates sobre arte, poesia e o universo feminino promovida pelo espaço cultural on-line No Beco das Mulheres

30 de Abril de 2021, 12:24

Sebage Jorge/ Editor

A escritora, poeta e artista visual Ana Karina Luna será entrevistada pela artista visual e curadora Alice Barros, nesta sexta-feira (30), a partir das 15h30. A conversa, intitulada “Fios de Sange”, integra a programação da exposição on-line  “Partitura cromática”, em cartaz desde o dia 19 na galeria do Complexo Cultural Teatro Deodoro, no centro da capital. Será ao vivo, no perfil Instagram de Karina Luna, que abordará a sua própria obra – embora fazendo inúmeras referências a poetas e filósofos.

Robertson Dorta e Alice Barros: curadores da exposição

Sobre a exposição “Partitura cromática”, a artista e poeta diz que “Alice, em parceria com [o também artista visual] Robertson Dorta, são os curadores deste passeio pelo mundo da música e da paisagem interior de 22 artistas”. Quanto à entrevista, informa que se trata de uma série que vem realizando este ano na rede social. “Tem mais três mulheres na semana que vem”, indica.

“No Beco das Mulheres é um espaço que se forma e se desfaz, se forma e se desfaz”, explica a irrequieta Ana Karina Luna. “Cada vez que vou conversar com uma mulher lá no @anakarinalua, forma-se esse espaço-tempo ‘No Beco das Mulheres’. “É um centro educacional sem escola. É anárquico, se auto regula."

Para a poeta, “esses papos são prazer, encontro, vínculos e, claro, educação, informação.” A proposta, segundo Karina, é “sair da ignorância”. “Vamos ver no que se transforma. mas já virou uma série, ‘No Beco das Mulheres’. É um espaço para papos de todas essas coisas tabu do feminino: morte, sexualidade feminina, narcisismo masculino, delações, erotismo, escrita, arte, corpo, criança interna etc. etc. E aí cito muita gente, muitas mulheres. Sempre trago citações, embaso, porque não dá para ficar com esses papos dentro da academia somente, né? Eu, filósofa da prática. Tem de transformar na prática, senão é abstração, diarréia mental.”