Cultura

'Qual a nossa resposta a essa tristeza toda' é manifesto de artes produzido em Salvador

A ação coordenada pelo professor Nelson Pretto é de grupo de pesquisa da Faculdade de Educação e será transmitida on-line na segunda-feira (7); os alagoanos Sebage e Cláudio Manoel Duarte participam

03 de Junho de 2021, 15:40

Da Redação

O grupo de pesquisa Educação, Comunicação e Tecnologias (o GEC) realiza na segunda-feira (7) o último encontro das chamadas “Polêmicas Contemporâneas”  – que é uma ação do Departamento 2 da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. O evento, intitulado “Qual nossa resposta a essa tristeza toda?” e coordenado pelo professor Nelson Pretto, ocorrerá no horário das 19h, on-line e gratuitamente, com participação de artistas nacionais e baianos (e até estrangeiros), do professor e artista alagoano/baiano Cláudio Manoel Duarte e do cantor e poeta alagoano Sebage. Toda programação será veiculada no canal das Polêmicas Contemporâneas.

“Muito me impressionou o clipe da Orquestra de Câmara da Escola de Comunicações e Artes da USP denominado ‘Espero que Nomes consigam tocar’, baseado na obra ‘Inumeráveis’, de Bráulio Bessa e Chico César", explica Nelson Pretto em artigo publicado no jornal A Tarde, de Salvador. "O magnífico trabalho estreou em setembro de 2020, já sob o forte impacto do número de mortos pela covid-19 e pelo descaso do governo genocida de Jair Messias Bolsonaro. Naquela data, já eram 980 mil mortos no mundo e 140 mil no Brasil. De lá para cá, o crescimento descontrolado de infectados nos aproxima da estrondosa marca do meio milhão de brasileiros mortos pela covid-19, resultado de uma necropolítica que tem se amparado no vírus para banalizar a morte”.

Pretto: 'Sonhos foram interrompidos, colegas e alunos nos deixaram'

“O impacto em cada um e cada uma de nós é enorme", continua Pretto. "Assim como na canção ‘Inomináveis’, os nomes nos tocam. Sonhos foram interrompidos, famílias destruídas, colegas e alunos nos deixaram, amigos se foram ao longo desses 14 meses de sofrimento. Não paramos de chorar os nossos mortos, sem luto, mas com luta.”

Pretto diz que “longe de ter superado essas dores e desafios”, está a se perguntar: “Qual nossa resposta a essa tristeza toda?”

Daí o nome do projeto e o convite aos artistas e profissionais acadêmicos que participam dessa ação derradeira das “Polêmicas Contemporâneas”. “Queremos, juntos”, exorta o professor, “pensar sobre nosso passado, presente e celebrar o futuro, homenageando aqueles e aquelas que não mais aqui estão.”

Claudio Manoel apresentará 'SalGrosso', junto com Marina Mapurunga e Gleydson Públio 

Em seu site independente, Ruídos Ordenados, Cláudio Manoel Duarte fala da performance, “SalGrosso”, que fará com Marina Mapurunga, professora da UFRB, doutoranda, musicista e performer, e Gleydson Públio, produtor audiovisual e cineasta. “SalGrosso não se corrompe: sua cristalinidade é luta contra o apodrecimento. É arma secreta, energética, contra as maldades criadas no mundo. Nosso SalGrosso entra nessa guerra contra as tristezas, todas essas tristezas, e maldades, todas essas maldades. Usamos arte como forma de afeto e afetação, espalhando esse sal para temperar a alegria e o amor contra o desgosto, a prostração, a agrura, o desagrado e o amargor.”

Daniela Mercury também está na programação com o clipe-manifesto 'Apesar de Você'

Duarte também é responsável pelo vídeo “Pré-História”, de Sebage, publicado em 2018. O clipe, de acordo com o artista alagoano, apresenta a poesia de seu único livro publicado, “Álbum de Família”, lançado pela editora Graciliano em 2017. “É um trabalho que conta, também, com a colaboração de Gleydson Públio, que editou o vídeo, e de Carlos Otávio Vianna, meu colega fluminense, que criou uma linda trilha instrumental”, conta Sebage. “Me sinto prestigiado e estou muito orgulhoso de participar dessa entourage soteropolitana pela vida, pela dignidade e pela arte, num momento trágico das nossas vidas pública e privada. Em meio ao caos e aos crimes federais dos quais somos vítimas, cá estamos nós gritando ou cantando ou fazendo poesia.”