Cultura

Jornalista e brincante João Lemos entrevista mestras da cultura popular

Roda de conversa encerra o projeto 'Junho Alagoano', realizado pelo bloco fluminense Flor de Lis, em parceria alagoana envolvendo a Secult, Fmac e 28 municípios do interior e litoral; nesta quarta-feira (30), on-line, às 19h

30 de Junho de 2021, 11:19

Sebage Jorge/ Editor

O jornalista e brincante João Lemos encerra nesta quarta-feira (30), às 19h, o projeto “Junho Alagoano”, realizado pelo bloco carioca Flor de Lis numa parceria com a Secretaria de Estado da Cultura (a Secult), a Fundação Municipal de Cultura (a Fmac) e secretarias municipais de cultura de 28 cidades do interior e litoral. É a segunda edição do evento, realizado durante a pandemia da covid-19, contando com o apoio da lei emergencial Aldir Blanc, do governo federal. Todo o projeto foi realizado on-line, em lives com apresentação de artistas e mestres da cultura popular. Acompanhe no Instagram do Flor de Lis e também no perfil da Secul AL.

O brincante de guerreiro João Lemos, que fez o lançamento da revista do Fórum de Cultura Popular e do Artesanato Alagoano (o Focuarte) nessa terça-feira (29), no canal do grupo no YouTube. Participam do programa desta quarta-feira “seis mestras da cultura popular, evidenciando a importância da valorização e do protagonismo desses fazedores de cultura para a identidade alagoana”. “Fiquei muito feliz em receber o convite através do Téo Cordeiro e da queridíssima [produtora e cantora] Weldja Miranda. Se deus e os encantados permitirem será uma roda de conversa bastante especial”, postula o incansável ativista da cultura popular no informativo do Focuarte.

A mestra de taieira Ana Paula Rocha: 'É importante destacar a presença feminina na cultura'

O tema “Eu e Elas na Cultura alagoana” é bastante apropriado. Participam da roda de conversa Lucimar Alves da Costa (Chegança Silva Jardim) e Nilza Cicera de Araújo (Baianas Voltam a Sorrir), de Coqueiro Seco; Ana Paula Rocha Lins (Taieira Nair da Bertina), de São Miguel dos Campos; Ana Alves Ferreira (Pastoril Recordar é Viver); Maria Helena (Guerreiro São Pedro Alagoano) e Zeza do Coco. Maria Helena e Zeza do Coco são notáveis artistas da capital e falarão sobre “a presença feminina nas brincadeiras populares", Segundo o Focuarte, o programa de encerramento do "Junho Alagoano" evidencia "o empoderamento, a luta e a perseverança dessas mulheres na manutenção da cultura popular”.

A atuação de Lemos é cativante e essas mulheres, de fato, são gênias. “Esse momento”, afirma a mestra de taieira Ana Paula Rocha, “é muito importante para destacar a nossa presença na cultura. Somos mulheres guerreiras, que amamos o que fazemos e lutamos para não deixar cair a brincadeira em nossa comunidade.”