Oportunidades

Daniel Toledo realiza em Maceió oficina de culinária africana

Técnicas e conhecimentos serão repassados pelo chef e professor em dois horários, manhã e tarde da sexta-feira (6); a oficina se repetirá no sábado (7), que ainda reserva algumas vagas

05 de Agosto de 2021, 14:39

Da Redação

O chefe de cozinha e professor da Uninassau Daniel Toledo realiza em Maceió, na sexta-feira e sábado (6 e 7), a oficina de culinária africana “No Tabuleiro da Okan tem”. As aulas, que ocorrerão no laboratório de gastronomia da universidade à rua José de Alencar, 511, bairro do Farol, começam às 9h, seguindo até o meio-dia e continuando no período da tarde no horário das 13h às 16h. As inscrições para as aulas de sexta-feira já esgotaram, restando apenas algumas vagas para a oficina do sábado. Corram para se inscrever (gratuitamente) aqui

Chef Toledo diz sentir-se 'honrado' em 'espalhar conhecimento' 

“Na oficina, os participantes vão saber mais sobre a história, características e o preparo de iguarias que encantam o paladar dos brasileiros, como o acarajé, caruru, vatapá, camarão defumado, abará, cocada e o bolinho de estudante”, destaca o informativo do chef Daniel Toledo enviado à Redação. Toledo diz ter aprendido “desde cedo” que quem divide, multiplica. “Então, como homem de axé, fico feliz e me sinto muito honrado em estar ajudando a espalhar o conhecimento, uma herança cultural de um povo. A culinária tradicional vem sendo repassada oralmente de geração em geração durante séculos e demonstra a importância da oralidade e da ancestralidade para a formação dos saberes culturais. Esse é o objetivo da oficina: o repasse do saber.”

De acordo com a comunicação do cozinheiro e professor da Uninassau, “a oficina já é um sucesso em relação à procura”. Uma segunda turma foi aberta para atender à grande demanda. “Fiquei muito feliz com o resultado das inscrições", reconhece o chef. "A princípio seria somente uma turma com 18 pessoas, mas, devido ao grande número de inscritos, iremos fazer duas.”

Daniel Toledo informa, ainda, que o projeto é financiado pela Lei Emergencial Aldir Blanc, com apoio dos governos estadual e federal, além do “apoio institucional” da Uninassau, da fábrica de uniformes Coloral e da loja de insumos O Baiano.