Especial

Expedição Científica no Baixo São Francisco começa no final do mês

Ação da Ufal chega a sua quarta edição, interagindo com escolas e comunidades rurais de cidades ribeirinhas; participarão 66 pesquisadores em dois barcos laboratórios, cinco lanchas e um catamarã

19 de Outubro de 2021, 15:03

Da Redação

A Universidade Federal de Alagoas (a Ufal) divulga a quarta edição de sua Expedição Científica, que ocorrerá no período de 31 de outubro a 10 de novembro, no rio São Francisco — “um dos mais importantes do país, que nasce em Minas Gerais e passa por 507 municípios em seis estados”, destaca o informativo da Ufal enviado à Redação.

O projeto coordenado pelo professor Emerson Soares será conduzido a partir do tema “Consolidando a Ciência em Ações ambientais no Baixo São Francisco”. O objetivo, segundo o docente da Ufal, é comparar os resultados dessa nova ação com o que já foi produzido em expedições anteriores, “que apontaram graves problemas ambientais, como comprometimento nos ecossistemas aquáticos, terrestres e de populações humanas”.

Professor Soares na segunda edição da expedição: 'intervenções junto às comunidades'

A expedição começará em Piranhas, município distante 269 km de Maceió. A abertura do evento, financiado pelo governo federal, está marcada para as 9h30 do dia 1º. de novembro e será acompanhada pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes. “A edição de 2021 contará com 66 pesquisadores em dois barcos laboratórios, cinco lanchas, catamarã de apoio e de uma produtora premiada internacionalmente, a Aventuras Produções, de Vera e Yuri Sanada, que vai realizar um documentário”, relaciona o press-release da Ufal, informando, também, que um avião não tripulável fará o mapeamento “de toda a região do Baixo São Francisco, contemplada com pesquisas em 35 áreas”. “O trajeto aquático e terrestre, alvos de pesquisa e de intervenções junto às comunidades ribeirinhas, contempla ainda as cidades de Pão de Açúcar, Traipu, São Brás, Igreja Nova, Penedo e Piaçabuçu, em Alagoas; Propriá e Brejo Grande, em Sergipe.”

Compõem a ação no Baixo São Francisco dois barcos laboratórios

Segundo a Ufal, a interação dos pesquisadores com as comunidades de escolas ribeirinhas “é um dos pontos altos da expedição”. Emerson Soares diz que este ano serão instalados cinco modelos demonstrativos de fossas sépticas biodigestoras com reuso de água para plantios. “Além de doação de 400 kits de material escolar, equipamentos com projetor multimídia, notebooks e caixas de som para essas escolas.”

O coordenador do projeto informa, ainda, que a programação da edição 2021 inclui a doação de mini tratores a associações rurais, realização de exames de pele e 450 testes RT-PCR para covid-19 nas comunidades. “Uma ação bucal, a exemplo da edição de 2020, será feita junto aos estudantes das escolas ribeirinhas”, afirma o professor.

Acompanhe a programação da quarta edição da Expedição Científica no site da universidade.