Cultura

Com a flexibilização do distanciamento, Marcos Flores busca 'uma leveza nas artes'

Artista inaugura a exposição 'Das Flores' nesta terça-feira (14), às 19h, no Café da Linda no foyer do Teatro Deodoro, centro da capital

14 de Dezembro de 2021, 10:25

Paulo Canuto/ Assessoria Diteal

Depois da grande exposição do filho do Teatro Deodoro Zeca Bega,“Paredes de Zeca Bega”, chegou a vez de apresentar as obras de outra prata da casa, o artista plural Marcos Flores em sua mais nova exposição “Das Flores”. A mostra terá sua abertura nesta terça-feira (14), às 19h, no Café da Linda, que fica no foyer do Teatro Deodoro à rua Barão de Maceió, s/n (Praça Deodoro), centro da capital.

“É com alegria que recebemos a exposição ‘Das Flores’ no Café da Linda. Parabenizamos o artista pelo belo trabalho, agradecemos pela parceria e convidamos o público para que prestigie a mostra", conclama Sheila Maluf, presidente da Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (a Diteal).

Flores e estilo na exposição do artista no Café da Linda

As visitas podem ser feitas de segunda a sexta-feira, a partir das 11h. Nos dias em que não há eventos nos teatros, o café fecha às 18h. Em dias de espetáculos, o local funciona até o horário de encerramento das atividades nos palcos. Nos fins de semana e feriados com eventos nos teatros, o Café da Linda funciona seguindo os horários das casas de espetáculos. 

"Marcos Flores tem história”, intervém o gerente-artístico da Diteal, Alexandre Holanda. “É um artista nato, e estar com ele encantando as paredes do Café da Linda é motivo de alegria e satisfação. A exposição ‘Das Flores’ enche os olhos de elegância, seja bem-vindo Marcos Flores."

Nascido em Maceió, contemplador da natureza e do belo, foi aluno do mestre Lourenço Peixoto (Maceió, 1897-1984), que o incentivou a seguir nessa área tão extensa e múltipla que é a arte. Fez diversos cursos de artes plásticas, estilismo, moda e design de interiores, mas, com as telas e os pincéis, foi amor. Flores conta que durante sua jornada esteve em vários lugares e com pessoas que agregaram muitos conhecimentos e novas formas de apreciar o que Deus nos deu — a vida, como ele afirma, inspirando-o ainda mais. O momento em que o mundo está passando também serviu de base para que ele desse vida a sua arte.

“Nesses últimos dois anos, vivendo algo inédito e inesperado”, explica, “tive de buscar nas artes um jeito novo de viver com mais leveza e, desse encontro, na pandemia, me vi inspirado e tentei colocar nesse trabalho minha gratidão à mãe Terra. Foi o que me fez não desistir de ter esperança.”

Marcos Flores (à esq.) com o crítico de arte Ricardo Maia e a produtora cultural Mirna Porto

“Das Flores” revela a beleza, alegria, elegância e imponência da figura feminina, da moda com seus trajes ornamentados pelas flores, combinantes com seus modelos. Assim posto, a exposição torna-se um casamento perfeito entre glamour nas roupas, nas expressões e na combinação de cores em união com as flores — afinal, um dos temas centrais da mostra.

Marcos Flores conta que as pintou primeiro em pregadores de roupas de madeira e passou as imagens para as telas, pintando os pregadores nas telas com as figuras femininas, ornadas por ramos florais e galhos de árvores.

“Essa exposição me deixa muito feliz, por estar fazendo durante esse momento da pandemia em que estamos mais abertos. Foi tudo maravilhoso, fazer, realizar essas obras e eu estou infinitamente agradecido. Aba Pai”, conclui Flores, fazendo a saudação que o apóstolo Paulo usava para glorificar a Deus.